10:51 18 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Efetivos americanos desfilam durante a cerimônia oficial de encerramento dos exercícios multinacionais da OTAN Noble Partner 2017, na Geórgia

    Especialista: 'Incorporação da Colômbia à OTAN é uma notícia terrível para América Latina'

    © AFP 2018 / Vano Shlamov
    Análise
    URL curta
    13176

    Em 31 de maio, a Colômbia será o primeiro país da América Latina a se tornar um "parceiro global" da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). Sputnik conversou sobre as conseqüências dessa decisão para a região com o cientista político e sociólogo argentino Atilio Borón.

    O presidente do país sul-americano, Juan Manuel Santos, reuniu-se nesta quinta-feira com o secretário geral da OTAN, Jens Stoltenberg, em Bruxelas, para formalizar o status da Colômbia como o novo "parceiro global" da Aliança.

    "Parece-me uma péssima notícia para os colombianos e para os habitantes do resto da região, que é uma área de paz livre de armas nucleares. Depois da incorporação, essa situação ficará em questão", disse Borón à Sputnik Mundo.

    Para aliviar as críticas, Santos disse que, apesar da presença de seu país na Aliança, a Colômbia não participará de operações militares. No entanto, o sociólogo argentino não está convencido de que este seja o caso. "A entrada da Colômbia na organização mostra que a diplomacia e a negociação política estão sendo deixadas de  lado e que a linguagem das armas se começa a ouvir", disse ele.

    Ele acrescentou que a OTAN é chamada por alguns observadores internacionais de "maior organização criminosa terrorista do mundo", e que a medida coloca em risco as tropas colombianas para serem usadas como "bucha de canhão".

    "Os soldados colombianos correm o risco de serem envolvidos em aventuras militares da OTAN, e não somente na Europa, sua área original de incumbência, mas em todo o mundo. Essa decisão não poderá trazer nada de bom para os povos desta parte do mundo", disse ele.

    Borón explicou que, após o colapso da União Soviética em 1991, os chefes da OTAN asseguraram que a Rússia não seria assediada por seus exércitos. "Eles estavam mentindo, hoje o país eslavo está cercado por suas tropas, do Báltico ao sul da Europa, no leste do Mediterrâneo. É uma organização criminosa, cujo projeto é avançar militarmente para resolver qualquer conflito", acrescentou.

    Segundo o cientista político argentino, há "razões bem fundadas" para pensar que uma Colômbia assessorada pela OTAN poderia se tornar um ponto estratégico para "uma intervenção armada" na República Bolivariana da Venezuela.

    "Isso seria uma catástrofe gigantesca para um país como Venezuela, que tem mais de 2 mil quilômetros de fronteira com a Colômbia", concluiu.

    Mais:

    Colômbia se aproxima da OTAN: 'Surge grande plano para conquistar América Latina'
    'Ameaça à paz': Venezuela condena aliança da Colômbia com OTAN
    Mídia revela o pior pesadelo da OTAN
    Colômbia será primeiro 'parceiro global' da OTAN na América Latina
    Tags:
    OTAN, Atilio Borón, América do Sul, América Latina, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik