17:24 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Míssil de cruzeiro Tomahawk lançado do destróier USS Barry (DDG 52)

    Especialista: Tomahawk abatidos na Síria são presentes valiosos para Rússia

    © flickr.com/ Departamento de Defesa dos EUA
    Análise
    URL curta
    14342

    A Rússia planeja criar novos sistemas de guerra eletrônica com base nas tecnologias dos mísseis de cruzeiro norte-americanos Tomahawk abatidos na Síria.

    O especialista militar Viktor Baranets comentou os planos em entrevista concedida ao serviço russo da Rádio Sputnik enfatizando que a Rússia evoluiu significativamente nessa área.  

    Além disso, ele observou que a Rússia obteve uma experiência valiosa no âmbito da guerra eletrônica.

    "A Rússia usou mais de 400 tipos de armas e equipamentos militares na Síria. Isto é muito certo, porque somente aquele armamento que passa pela guerra e que foi testado em situação de combate real pode ser considerado confiável […] O presente mais valioso para nós foi o fato de que a inteligência da síria concedeu à Rússia alguns mísseis Tomahawk intactos. Naturalmente o dispositivo eletrônico dos mísseis é de maior interesse para os nossos especialistas, seu 'cérebro eletrônico', geradores, unidades e outros componentes podem ajudar a desenvolver receitas de combate contra as armas estrangeiras", disse o analista.

    Ele enfatizou que a Rússia alcançou grandes sucessos no ramo do desenvolvimento de sistemas de guerra eletrônica e o estudo de mísseis norte-americanos pode ajudar a avançar ainda mais.

    "Os próprios norte-americanos reconhecem que a Rússia criou um sistema potente de guerra eletrônica nos últimos anos. E, sem dúvidas, a experiência síria é inestimável nesse sentido. Agora conhecemos o 'passaporte' do inimigo. Podemos abrir esses mísseis, entender seu sistema de controle e vamos elaborar nosso sistema com base nesta experiência", concluiu Baranets.

    Na manhã de 14 de abril, Estados Unidos, Grã-Bretanha e França dispararam mísseis sobre instalações sírias que, segundo o governo desses três países, são usadas para produzir armas químicas. No total, as forças dessa coalizão lançaram 105 mísseis.

    Estados Unidos, Inglaterra e França argumentam que todos os mísseis atingiram o alvo designado. No entanto, o Estado-Maior russo negou essas informações depois de uma análise detalhada. Os fragmentos recolhidos e o estudo das crateras provocadas pelos mísseis levaram à conclusão de que os alvos não foram atingidos por mais de 22 mísseis. A maioria dos mísseis "inteligentes" atingiu instalações agrícolas que não tinham relação com alvos militares.

    Não houve mortes em decorrência dos bombardeios e os danos também foram mínimos. O exército sírio repeliu o ataque com sistemas de defesa antiaérea S-200, S-125, entre outros.

    Mais:

    Rússia criará novos sistemas de guerra eletrônica com dados de mísseis capturados dos EUA
    Por que EUA podem ficar sem mísseis de cruzeiro Tomahawk?
    Marinha dos EUA incorpora nova leva de mísseis Tomahawk por US$ 143 milhões
    Tags:
    guerra eletrônica, mísseis, estudos, tecnologia, Tomahawk, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik