06:00 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Engenheiros militares russos ajudam a neutralizar minas em áreas orientais da cidade síria de Aleppo (foto de arquivo)

    General venezuelano: Rússia está frustrando planos dos EUA de se aproveitar da Síria

    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia
    Análise
    URL curta
    8270

    Ao enviar suas forças militares à Síria, a Rússia frustrou os planos dos EUA de desmantelar a nação árabe para seu próprio benefício, declarou em entrevista à Sputnik o secretário-geral do Conselho de Defesa da Nação da Venezuela, general Pascualino Angiolillo Fernández.

    "Sem dúvida alguma, o que a Rússia está fazendo é frustrar o plano [dos EUA] de aplicar a doutrina de Estado-pária à Síria com o fim de conseguir um objetivo estratégico, que é a localização geográfica que a Síria ocupa", afirmou Fernández à Sputnik Mundo.

    Segundo o general, para os Estados Unidos, a Síria é "um país de passagem obrigatória e de comunicação direita com outros países onde há interesses muito importantes".

    Este interesse se deve, de acordo com o militar, à energia, ao gás em particular, aos recursos estratégicos e vias estratégicas nesta região.

    Fernández acha que "o compromisso da Rússia […] de colaborar para evitar o terrorismo internacional realmente consistiu em evitar que um país de outro continente tente semear a desestabilização financiando grupos que acabam sendo terroristas […] que foram originados pelo financiamento e por toda uma operação política muito bem montada no quadro da doutrina de Estados-párias."

    Na opinião do militar venezuelano, foram os Estados Unidos que estimularam o surgimento dos terroristas na Síria, treinando-os e apoiando-os com armas. As ações dos EUA na Síria, opina, é o mesmo que já fizeram antes no Afeganistão e no Iraque.

    "Se voltarmos no tempo, veremos qual foi o pretexto para justificar o bombardeamento cruel no Afeganistão, foi a figura do homem que eles mesmos treinaram, Osama bin Laden", destacou.

    O alto funcionário venezuelano acrescenta que Washington "aplicou a doutrina da guerra preventiva, transformando-a em legislação internacional através do que chamaram de ‘legítima defesa', ao apresentarem uma resolução na ONU para justificar seus bombardeamentos ao Afeganistão […] isto porque apenas um homem ameaçava a segurança dos EUA".

    Fernández afirma que Washington pretende fazer o mesmo com a Venezuela, que supostamente ameaça os seus interesses.

    "O mesmo querem fazer na Venezuela com o decreto Obama, ratificado em várias ocasiões pelo presidente Donald Trump, de que a Venezuela representa uma ameaça à segurança dos interesses dos EUA", notou.

    Em 14 de abril, os Estados Unidos, o Reino Unido e a França realizaram um ataque com mísseis contra a Síria. O ataque foi motivado por um suposto ataque químico na cidade síria de Douma por parte das tropas sírias.

    Mais:

    EUA devem parar de apoiar 'extremistas' na Síria, diz ministro turco
    Exércitos dos países do golfo Pérsico vão realizar sonhos de Trump na Síria?
    Tags:
    combate ao terrorismo, Iraque, Afeganistão, Venezuela, Síria, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik