14:23 19 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Homem com máscara de Donald Trump durante protestos contra a Cúpulas das Américas, Lima, Peru, 12 de abril de 2018

    Analista: EUA tentarão frustrar aproximação econômica entre China e América do Sul

    © AP Photo / Karel Navarro
    Análise
    URL curta
    481

    Durante a Cúpula das Américas, que decorreu neste abril, o embaixador da Argentina na China, Diego Ramiro Guelar, afirmou que já no ano que vem a América do Sul e a China poderão começar as negociações sobre uma zona de livre comércio. Analistas comentam as chances de tal cooperação e como EUA poderão frustrar os planos.

    A afirmação do embaixador argentino demonstra que a América Latina quer fortalecer laços econômicos com a China e que a delegação norte-americana, liderada por Michel Pense, não conseguiu convencer a América Latina de ficar longe de Pequim, acreditam analistas. Por sua vez, a China, antes da cúpula, acusou os EUA de continuar dando instruções a seu vizinho do Sul com quem ter comércio e com quem não.

    Discursando na Cúpula das Américas, Diego Ramiro Guelar afirmou que a China é tão importante para a América Latina como os Estados Unidos, sinalizando, talvez, que Pequim é o segundo parceiro econômico depois dos EUA.

    Segundo especialista do Centro de Estudos de Finanças da Universidade Renmin da China, Bian Yongzu, as negociações sobre criação de uma zona de livre comércio entre a China e Argentina se devem aos laços econômicos cada vez crescentes entre o gigante asiático e a América do Sul.

    Assim, a China fez grandes investimentos na extração de recursos naturais, infraestrutura, agricultura e outros setores da América do Sul, que, por sua vez, importa produtos industriais e eletrônicos chineses.

    "As economias têm um complemento mútuo muito alto; os volumes de comércio também estão cada vez maiores", sublinha o analista.

    Por outro lado, lembra Yongzu, a América do Sul vem sendo tradicionalmente os "arredores" dos EUA, que possuem muita influência na região.

    "Graças a seu grande potencial como Estado, os EUA interveem na política e economia da América do Sul, introduzem sanções sob qualquer pretexto em respeito a alguns países da região ao ponto de desencadear até mesmo ações militares", opinou Yongzu à Sputnik China.

    Porém, com o papel econômico crescente da China no mundo, há motivos para acreditar que isso ajude a América Latina a fortalecer sua posição no diálogo com Washington, sublinha analista, acrescentando que os EUA podem tentar interferir nisso também.

    "Os EUA poderão mostrar sua forte influência, intervir, retardar as negociações por dentro, fazer com que os países da América do Sul sigam seus conselhos, continuem sendo seus ‘arredores'", afirma o analista chinês.

    Mesmo assim, prossegue, mesmo intervindo, os Estados Unidos não poderão mudar a tendência de aproximação econômica entre a China e a América do Sul.

    Outro interlocutor da Sputnik, especialista do Instituto da América Latina, Aleksandr Kharlamenko, também acredita que Washington não conseguiu persuadir os países latino-americanos, durante a última cúpula, para que se afastem da China.

    "A China há muito tempo e com muito sucesso está desenvolvendo relações com a Venezuela, Cuba e outros países. E estes mesmos países serão alvos principais dos ataques políticos [dos EUA] para prejudicar a união da América Latina", ressalta Kharlamenko.

    O analista não exclui também que Washington continue pressionando os governos dos países da região onde ao poder chegaram forças direitas. Através das últimas os EUA tentarão desequilibrar o sistema de organizações regionais, da qual fazem parte Unasul, Mercosul e Aliança do Pacífico, entre outras, o que pode dificultar as negociações entre Pequim e Buenos Aires. Porém, acrescenta o analista, a China tem um remédio.

    "A China vai contrapor sua potência econômica a isso […] O país também recorrerá à sua flexibilidade tradicional, o curso de não interferência nos assuntos internos, de apoio à independência dos países da região. Trata-se da linha chinesa tradicional de oposição à hegemonia", ressalta o analista russo.

    No momento, muitos países da América do Sul estão sendo afetados pelas sanções dos EUA, incluindo produtores de aço do Brasil e em outros países. O curso da administração de Donald Trump, que visa devolver a indústria norte-americana aos EUA, também está afetando a economia latino-americana.

    Mas, concluiu Kharlamenko, a diplomacia político-econômica da China usará estes fatores para encher o vácuo que está se formando.

    Mais:

    Sem nomeação de secretário-geral, Brasil pode deixar Unasul em definitivo, diz fonte
    Chefe da robótica chilena: 'Que sigam desenvolvendo tecnologia militar, mas fora da Terra'
    Tags:
    obstáculos, cooperação econômica, Mercosul, Unasul, Argentina, China, Brasil, Cuba, Venezuela, América do Sul, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik