22:19 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Bashar al-Assad, presidente da Síria

    Por que Ocidente tenta depor Bashar Assad? Deputado russo explica

    © AP Photo / SANA
    Análise
    URL curta
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (90)
    17792

    Os EUA não conseguirão depor o presidente sírio Bashar Assad do poder "com bombas", anunciou Vasily Nebenzya, representante permanente da Rússia na ONU.

    "É difícil imaginar que, depois de tudo o que aconteceu, as autoridades sírias estariam entusiasmadas em relação à situação política a mando de três países. Se o objetivo é forçar 'com bombas' o presidente sírio a se sentar à mesa de negociações para demostrar vitória sobre ele e depois levá-lo ao tribunal como um 'criminoso de guerra', como ameaçam Washington, Londres e Paris, a tarefa não é executável", comentou.

    O deputado Yury Shvytkin, em entrevista concedida ao serviço russo da Rádio Sputnik, opinou sobre o que causou o desejo do Ocidente em depor o presidente sírio.

    "Em minha opinião, os EUA e seus aliados não desistem da ideia de depor o presidente da Síria Bashar Assad, eleito legitimamente. Certamente, um de seus objetivos é colocar neste posto um fantoche que governará segundo suas regras. Ao mesmo tempo, eles já entenderam que perderam sua posição geopolítica devido ao fato de que a Força Aeroespacial da Rússia, juntamente com as Forças Armadas da Síria, está combatendo os terroristas com êxito", disse o deputado.

    Ainda de acordo com ele, os EUA e seus aliados querem proteger os militantes que os serviram durante a realização de seus planos, acrescentado que, mesmo que as Forças Armadas dos EUA deixem a Síria, eles introduzirão outros contingentes, provavelmente árabes.

    No início de abril, o Ocidente acusou Damasco de usar armas químicas na cidade de Douma. Moscou negou qualquer informação sobre o uso de bomba de cloro, supostamente usada por militares sírios. Os especialistas russos da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) visitaram o local e não encontraram nenhum vestígio de toxinas, além de não haver nenhum paciente intoxicado em hospitais locais.

    No entanto, na noite da sexta-feira (13), os Estados Unidos, a França e o Reino Unido lançaram ataques a vários alvos na Síria. A maioria dos mísseis foi interceptada pelas Forças Armadas da Síria. Três pessoas ficaram feridas.

    O presidente russo Vladimir Putin chamou os ataques de um "ato de agressão contra um Estado soberano, que está na vanguarda da luta contra o terrorismo".

    Tema:
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (90)

    Mais:

    Trump quer substituir exército dos EUA por tropas árabes na Síria
    Reino Unido está dividido quanto a ataque na Síria, revela pesquisa
    Macron pondera, mas admite: Ataques à Síria 'não resolverão nada'
    Tags:
    ataque químico, terrorismo, fantoche, ameaça, Forças Armadas dos EUA, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Forças Aeroespaciais Russas, Forças Armadas da Síria, Vasily Nebenzya, Bashar Assad, Londres, Paris, Washington, Ocidente, Reino Unido, França, Douma, Síria, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik