12:24 19 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Inauguração da base da China em Djibuti, no leste da África, no dia 1° de agosto de 2017

    China 'desbrava' África desafiando EUA?

    © AFP 2018 / STR
    Opinião
    URL curta
    9320

    Chefe do Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes do Congresso norte-americano, Devin Nunes, declarou que o comitê planeja realizar uma investigação quanto ao reforço do potencial econômico e militar da China na África.

    Nunes, citado pelo canal FoxBusiness, opinou que a China pretende investir nos portos e infraestruturas em todo o mundo não apenas para aumentar seu potencial militar, mas também para poder controlar e manipular os governos de países em que investe.

    A China anunciou o início da construção de uma base militar em Djibuti em fevereiro de 2016. A cerimônia de inauguração decorreu em 1º de agosto do ano passado. As autoridades chinesas não revelam a quantidade dos efetivos que tencionam lá instalar, mas segundo algumas informações se trataria de cerca de 10.000 militares. Wu Qian, representante do Ministério da Defesa chinês, declarou que a base será usada principalmente para missões de patrulhamento, operações humanitárias, descanso e reabastecimento dos efetivos que participam das operações no golfo de Áden e perto da Somália.

    Vladimir Terekhov, especialista em assuntos da região Ásia-Pacífico, destacou para o serviço russo da Rádio Sputnik que Pequim ajuda os países africanos a resolver seus problemas, enquanto os norte-americanos não tem pressa em fazer isso.

    Analista frisou que faz tempo que China está "desbravando" o continente africano e que para o gigante asiático a África é um território muito importante e prospectivo.

    "Já cinco anos atrás ficou bem claro que a China é o principal parceiro comercial dos países africanos e investidor nos seus projetos. A China ajuda os africanos a resolverem seus graves problemas econômicos que fazem fugir suas populações para outros países, inclusive para a Europa", explicou.

    A China é o líder evidente no comércio com os países africanos e planeja duplicar o volume do comércio durante os próximos dez anos e investir em aproximadamente 3.000 projetos de infraestrutura, destacou Terekhov.

    "Mas o componente comercial é reforçado pelo militar. A China está aumentando sua presença no oceano Índico e criando bases de apoio para a sua Marinha. Assim, a China está desbravando metodicamente o continente africano. Claro que para o gendarme mundial, para os EUA, isto representa um desafio", disse o analista.

    No entanto, segundo continuou, os americanos não parecem ter pressa em oferecer algo em troca aos países africanos. Como lembrou Terekhov, o AFRICOM, Comando das Forças Armadas dos EUA na África, existe já há dez anos e esta organização não tem dado nenhuns frutos.

    "É a China quem ajuda os africanos a resolver os problemas, não dá para entender o que os EUA podem contrapor. Os EUA são como o gendarme que passeia perto do mercado, que tem uma vida própria, a qual não está ligada àquele que tem a arma", resumiu Vladimir Terekhov.

    Mais:

    Analista russo: na base em Djibuti China levou em conta experiência do Iraque e Síria
    China realiza primeiras manobras na sua base em Djibuti (VÍDEO)
    Tags:
    base militar, Djibuti, EUA, África, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik