04:30 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    7230
    Nos siga no

    Uma brigada de mísseis do Distrito Militar Ocidental da Rússia levou a cabo exercícios táticos no polígono de Kapustin Yar, na região de Astrakhan no sudoeste da Rússia.

    No âmbito das manobras foi realizado com êxito o lançamento de um míssil balístico Iskander-M contra alvos simulando importantes instalações terrestres do inimigo convencional.

    De acordo com o portal oficial do Ministério da Defesa da Rússia, Krasnaya Zvezda, as ações dos militares durante os lançamentos foram avaliadas como "excelentes".

    Comentando o assunto para o serviço russo da Rádio Sputnik, o cientista político Aleksei Podberezkin destacou a segurança e alta precisão do sistema russo.

    "Mais um teste do Iskander mostrou que este é um sistema confiável que dispõe de uma precisão fantasticamente alta e pode atingir em um período de tempo muito curto os alvos mais importantes", destacou Podberezkin.

    No que diz respeito aos locais da sua instalação, continuou, nas áreas ocidentais, isso significa que dentro do raio de seu alcance estão potenciais alvos importantes na Polônia ou mesmo na Alemanha.

    "O tempo de voo até aos alvos será de apenas alguns minutos, ou seja, desde a ordem de lançamento até o objetivo ser atingido, por exemplo, em Varsóvia, passarão apenas 3-4 minutos, com uma precisão de 3 a 4 metros", disse.

    Esta precisão permitirá eliminar quaisquer alvos bem protegidos, inclusive os sistemas de lançamento da defesa antimíssil dos EUA instalados na Polônia, resumiu o analista.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Presidente da Lituânia 'assusta' Europa com sistemas Iskander russos
    Rússia faz lançamento bem sucedido do míssil Iskander-M modernizado (VÍDEO)
    Por que sistemas Iskander-M russos são tão perigosos para seus inimigos? (VÍDEO)
    Tags:
    mísseis, teste, Iskander-M, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar