06:30 18 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Apresentação gráfica dos testes do míssil Sarmat utilizada durante discurso do presidente russo, Vladimir Putin, perante a Assembleia Federal, 1º de março de 2018

    Para especialista, Rússia de fato possui armas que ninguém mais no mundo tem

    © Foto : Ministério da Defesa da Rússia
    Análise
    URL curta
    Novo arsenal da Rússia (46)
    31632

    Nesta quinta-feira (1º), o presidente russo Vladimir Putin, durante seu discurso perante a Assembleia Federal apresentou novas armas russas que não possuem análogos no mundo. Trata-se do sistema de mísseis Sarmat, drones submarinos, míssil de cruzeiro, sistema de mísseis hipersônicos Kinzhal e armas laser.

    Em entrevista a Sputnik Sérvia, o analista sérvio Miroslav Lazansky comentou sobre o discurso do líder russo.

    "Os norte-americanos criaram um escudo antimíssil na Romênia e na Polônia, nas ilhas Aleutas, bem como na Coreia do Sul. Os russos não respondem da mesma maneira, mas em vez disso, continuam reforçando seu potencial de mísseis: criaram o míssil Sarmat com uma grande quantidade de blocos de combate, capazes de realizar manobras e alterar a trajetória e altitude do voo", explicou.

    De acordo com Lazansky, nenhum dos sistemas existentes da defesa antimíssil é capaz de derrubar tal tipo de mísseis. 

    Alem disso, o analista comentou que os mísseis russos podem ser instalados em submarinos. 

    "Trata-se de um míssil intercontinental, que, por exemplo, por ser lançado de um submarino do mar de Okhotsk e não se dirigirá à estratosfera onde poderia se tornar um alvo fácil, mas percorrerá a uma altitude de 3 a 4 metros, onde nenhum dos radares poderá detectá-lo. Enquanto isso, o míssil poderá percorrer, por exemplo, 13 mil quilômetros. Nenhum país do mundo nunca teve isso. Ou seja, trata-se de um míssil intercontinental, que não voa pela trajetória de um míssil continental".

    Quando perguntado o motivo dos dados sobre novas armas serem apresentados somente agora, Lazansky supôs que a situação deve ser analisada em conexão com a postura da OTAN. 

    "Os norte-americanos e suas novas armas nucleares táticas, que tencionam posicionar nos países europeus da OTAN, a expansão da Aliança Atlântica para as fronteiras russas, a sugestão de países para essa Aliança, a presença de navios de guerra da OTAN nos mares Negro e Báltico — tudo isso faz parte da pressão contra a Rússia, e ela é forçada a responder. A paciência acabou, a Rússia deu a entender: temos como responder".

    Tema:
    Novo arsenal da Rússia (46)

    Mais:

    Especialista russo analisa capacidade de radares orbitais dos EUA
    Washington arruma maneira de lidar com armas hipersônicas
    Tags:
    míssil balístico intercontinental, armas, RS-28 Sarmat, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar