13:00 20 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Trabalhador sentando dentro de um duto (imagem referencial)

    Analista: só um país pode derrubar gasoduto Nord Stream 2

    © AFP 2018/ GENT SHKULLAKU
    Análise
    URL curta
    5181

    A Rússia acredita que a realização do projeto do gasoduto Nord Stream 2 não influenciará a segurança energética dos países da União Europeia.

    Com isso, Moscou está contra as intenções de alguns países de acelerar o projeto, declarou na quarta-feira (31) no briefing, a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

    Antes, o premiê polonês Mateusz Morawiecki, declarou que Varsóvia deposita esperanças nos EUA na disputa com a companhia Gazprom sobre o Nord Stream 2. Também reconheceu que a Polônia tenta usar os EUA para exercer a pressão na Gazprom.

    Maria Zakharova disse que "queria lembrar mais uma vez à parte polonesa, que o gasoduto Nord Stream 2 não mina a segurança energética da Europa, mas a fortalece via diversificação de rotas de fornecimentos de gás e redução de riscos de transportes, aumentando a segurança do fornecimento de gás dos consumidores finais".

    O projeto implica a construção de duas linhas de gasoduto com a potência de 55 bilhões de metros cúbicos por ano da costa russa através do mar Báltico até a Alemanha.

    Uma série de países é contra o projeto, em particular a Ucrânia, que tem medo de perder os rendimentos do trânsito do gás russo. Os EUA, por sua vez, têm seus próprios planos de exportações de gás à Europa.

    Contudo, o analista principal do Fundo da Segurança Energética Nacional, Igor Yushkov na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, notou que a Ucrânia não pode impedir a realização do projeto.

    "A Ucrânia não tem e nunca teve a oportunidade de minar o projeto. Tais países como Alemanha, Áustria, República Tcheca e a maioria das companhias europeias estão a favor da cooperação com a Rússia no setor de gás, a favor da realização do Nord Stream 2. Elas quarem minimizar os riscos de interromper o fornecimento de gás de seus países."

    Ele nota que há riscos em caso de trânsito através da Ucrânia, o que está ligado à necessidade de investir na modernização do gasoduto ucraniano, que é obsoleto. O especialista avalia que isso custará cerca de 10 ou até 12 bilhões de dólares (entre 31 e 38 bilhões de reais respetivamente).

    "Somente os norte-americanos podem minar o projeto se pressionarem o negócio europeu, proibindo quaisquer contatos com a Gazprom nessa direção e fechar todas as oportunidades para a cooperação. Mas isso causará um conflito grave principalmente com a Alemanha, e um resfriamento a longo prazo das relações entre EUA e UE. Por isso, acho que os norte-americanos não se atreverão a fazer isso."

    De acordo com o analista, as declarações do presidente norte-americano Donald Trump, em Davos, falam sobre isso. "Em Davos, Trump mostrou que quer cooperar com os europeus, para o bem do desenvolvimento da economia norte-americana. Por isso considero que ele não vai desencadear tal conflito."

    Igor Yushkov assinala que o único problema pode ser a oposição por parte da Dinamarca, que pressionam abertamente os EUA. Por isso, é provável que a rota possa ser um pouco desviada e, como consequência, o custo aumentará. Mas o especialista conclui que o projeto será realizado.

    Mais:

    Europeus consideram inaceitáveis sanções dos EUA contra suas empresas
    Mídia revela que EUA vão receber gás russo
    Entrou para história: Reino Unido recebe primeira carga de gás diretamente da Rússia
    Tags:
    projeto, concorrência, gasoduto, negócio, gás, Nord Stream 2, Maria Zakharova, Alemanha, EUA, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik