04:29 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    People attend a video conference of WikiLeaks founder Julian Assange at the International Center for Advanced Communication Studies for Latin America (CIESPAL) auditorium in Quito on June 23, 2016.

    Cidadania equatoriana a Assange pode ser 'remédio com efeitos piores que a doença'

    © AFP 2019 / Rodrigo Buendia
    Análise
    URL curta
    253
    Nos siga no

    O Equador concedeu recentemente a cidadania ao co-fundador da WikiLeaks, Julian Assange - um movimento que certamente provocará repercussões políticas legais no país, argumenta o professor de política internacional da King's College London Andrés Mejia Acosta em entrevista à Sputnik.

    Julian Assange se dirige aos jornalistas e manifestantes na Embaixada do Equador em Londres
    © Sputnik / Alex McNaughton
    Sputnik: Por que a concessão de cidadania aconteceu agora?

    Andres Mejia Acosta: Quando [o Equador] concedeu asilo [a Assange] em 2012, havia um presidente de esquerda [Rafael] Correa que lhe ofereceu asilo como uma exibição ideológica de soberania. O atual presidente [Lenín] Moreno é mais pragmático e, embora venha do mesmo partido, ele é menos explícito sobre soberania, ambições e seria do interesse dele acabar com o impasse, mas sem atacar a ala ideológica esquerdista de sua coalizão política. Parece que isso resultou ser um remédio ruim, o que pode ser pior do que a própria doença.

    Sputnik: É estranho que o presidente do Equador tenha se pronunciado anteriormente contra Assange, e agora o país lhe concedeu cidadania. Isso é uma surpresa para você?

    Andres Mejia Acosta: É uma surpresa que terá graves consequências políticas legais no Equador. Se essa fosse uma estratégia rápida para resolver a crise — penso que foi amplamente consultada, já que a ideia teria sido vetada por qualquer diplomata em início de carreira — a qual o presidente provavelmente não foi consultado. O caso em questão é um problema sério em que um diplomata concede cidadania a uma pessoa sob pretextos falsos. Assange é dito residente da capital Quito — e eles terão que responder à justiça no Equador.

    Sputnik: Que tipo de ramificação poderia realmente ter essa mudança para as relações do país com o Reino Unido, os EUA e talvez até com a Suécia?

    Andres Mejia Acosta: Eu acho que vai piorar as coisas em termos de ajudar Assange a deixar a embaixada e evitar a prisão. Existe um caso de extradição pendente que ainda é válido nos EUA, ainda está em violação atual da lei do Reino Unido. E agora há um problema adicional dele ser agora um cidadão equatoriano — não faz sentido que o governo equatoriano lhe ofereça asilo em sua própria embaixada ou o mantenha à custa do contribuinte equatoriano.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tags:
    King's College, WikiLeaks, Andres Mejia Acosta, Lenín Moreno, Rafael Correa, Julian Assange, Estados Unidos, Quito, Reino Unido, Equador, Suécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar