08:41 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Manobras Zapad 2017

    Apenas um milagre a salvará: 'Rússia se preparou para invadir Europa'

    © Sputnik / Pavel Gerasimov
    Análise
    URL curta
    412443
    Nos siga no

    A edição alemã Bild anunciou sobre o novo plano traiçoeiro de Moscou, em particular, que a Rússia teria elaborado uma estratégia para invadir vários países europeus. O analista militar Viktor Murakhovsky comentou o curioso artigo

    O jornal alemão Bild informou, citando "duas fontes anônimas na inteligência ocidental", que nas manobras Exército 2017, realizadas em setembro passado, a Rússia teria treinado um cenário de invasão de vários países na Europa.

    Comentando os exercícios, a Rússia, por sua parte, argumentou que treinou a defesa contra uma possível invasão de três Estados imaginados.

    Porém, segundo a edição alemã, Moscou, na verdade, planejava conquistar certos países: Suécia, Finlândia, Estônia, Letônia, Lituânia e até a Bielorrússia.

    O último país, segundo o analista, provoca mesmo uma verdadeira surpresa, pois Zapad foram manobras conjuntas russo-bielorrussas.

    "Ou seja, nos últimos exercícios as forças armadas da Rússia atingiram um nível de camuflagem verdadeiramente incrível — realizaram exercícios de invasão de um país aliado em conjunto com as tropas deste mesmo país, no território deste e sem que o comando bielorrusso notasse", ironiza o especialista militar.

    Levando em consideração este fato, avança Murakhovsky, "a única coisa que pode salvar a Europa de uma invasão russa é um milagre". Pois se os soldados russos conseguem realizar operações com o país acima citado, então eles podem capturar a Europa sem ela notar algo. Para piorar a situação, isso pode já ter acontecido, apenas a informação ainda não terá sido divulgada, acrescenta o analista.

    De acordo com o Bild, além dos países vizinhos, a Rússia treinou o bombardeamento da Europa Ocidental, "especialmente a Alemanha" e até os Países Baixos.

    Como motivo para realizar este plano militar poderá servir uma revolução colorida na Bielorrússia, porque para o líder russo Vladimir Putin isso seria uma ameaça tanto pessoal como para o seu poder, continua o analista comentando o artigo alemão.

    No entanto, a repetição de Maidan — onda de manifestações na Ucrânia em 2013 — no território bielorrusso é pouco provável, acredita Murakhovsky. Também não faz nenhum sentido para a Rússia derramar o sangue de seus soldados por esta razão e ainda por cima conquistar a Suécia e a Finlândia que ficam muito longe da Bielorrússia e não apresentam nenhum incómodo para Moscou.

    Quanto aos Países Bálticos, para quê ocupar países cuja economia está sobrevivendo graças a "injeções" europeias e cujos habitantes se mostram hostis em relação à Rússia, pergunta.

    Mas a mídia ocidental não se preocupa muito com a veracidade desses cenários militares e continua seguindo as instruções de Washington falando sobre a "ameaça russa", opina o analista militar.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Estados Unidos calculam riscos de guerra contra Rússia
    Presidente da Sérvia explica por que seu país não deseja fazer parte da OTAN
    Tags:
    propaganda, invasão, ameaça, exercícios militares, Zapad 2017, Alemanha, Suécia, Finlândia, Países Bálticos, Europa, Bielorrússia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar