01:35 20 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Passageiro no trem oficial da Copa do Mundo de 2018 dedicado à história dos campeonatos de futebol do mundo

    Brasil e Rússia se unem pela segurança na Copa e no combate ao terrorismo

    © REUTERS/ Maxim Shemetov
    Opinião
    URL curta
    372

    Uma delegação russa liderada pelo diretor do Conselho de Segurança da Rússia, general Nikolay Patrushev, foi recebida na segunda-feira em Brasília pelo presidente Michel Temer. O propósito era conversar com as autoridades brasileiras sobre as medidas adotadas pelo governo para prevenção de atos de terrorismo antes e durante a Copa do Mundo de 2014.

    Além do presidente Michel Temer, a delegação russa também conversou com os ministros Sergio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional, e Torquato Jardim, da Justiça. Também participou dos entendimentos o novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia.

    Para o professor de Relações Internacionais Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval e estudioso de questões relacionadas ao terrorismo internacional, a cooperação entre Brasil e Rússia é antiga e, neste momento, mais do que oportuna:

    "Essa aproximação entre Rússia e Brasil é histórica, vem desde os tempos do Império. Temos de ressaltar que, em alguns momentos, esses laços foram estremecidos por questões de política internacional, mas Rússia e Brasil sempre cooperaram, e muito mais intensamente nos últimos dez anos."

    Na avaliação de Cabral, os últimos eventos esportivos internacionais realizados no Brasil reforçaram os laços com a Rússia:

    "Essa aproximação, em termos de segurança internacional, teve seus pontos altos em dois momentos, na Copa do Mundo de 2014 e nas Olimpíadas [do Rio de Janeiro] de 2016. Aqui, felizmente, não temos atentados terroristas mas a Rússia esse ano sofreu dois atentados. E a Rússia tem uma larga experiência no combate ao terrorismo. O que nós [no Brasil] podemos oferecer é essa expertise de medidas bastante intensivas, como, por exemplo, a presença ostensiva de tropas militares nas ruas."

    Ricardo Cabral lembrou que a Rússia observa a política de alertar seus parceiros para a possibilidade da ocorrência, em seus países, de atos terroristas. Segundo ele, neste ano, o presidente Vladimir Putin alertou a Espanha sobre atos terroristas que poderiam ocorrer no país, "como aconteceu, aquele atentado de Barcelona".

    "O Presidente Putin alertou para a necessidade de cooperação internacional [em segurança] para prevenir novos atentados. A Rússia, desde [os Jogos de Inverno de 2014] de Sochi, tem feito um cadastro de todos os torcedores que vieram ao país, assim como fez na Copa das Confederações deste ano. É um ensaio que foi feito para a Copa do Mundo [de 2018], com a adoção de medidas de contraterrorismo."

    O especialista considera que, em termos de segurança internacional e institucional, a cooperação entre países é indispensável e fundamental. Para ele, o aprendizado é mútuo. O Brasil, segundo Cabral, aprendeu muito com a experiência russa, europeia, chinesa e israelense, o que contribuiu muito para o sucesso dos últimos eventos esportivos realizados em território brasileiro. 

    "Eu gosto de ressaltar a possibilidade de termos algumas delegações [para a Copa de 2018] que são sempre alvo de muita preocupação, como é o caso de Arábia Saudita, Nigéria, Egito, os países europeus que sofreram atentados nos últimos anos, como Reino Unido, França, Espanha, Alemanha, Bélgica e a própria Rússia. Eu acredito, pelo que tenho acompanhado na mídia, que as medidas de segurança irão se intensificar na medida em que a Copa se aproximar."

    Presidente Temer reunido em Brasília com a delegação russa liderada pelo General Nikolay Patrushev
    Marcos Corrêa/PR/Fotos Públicas
    Presidente Temer reunido em Brasília com a delegação russa liderada pelo General Nikolay Patrushev

    Ricardo Cabral deu um exemplo de como o Brasil conseguiu retirar a tempo do país representantes de uma das torcidas mais perigosas da Argentina, Barra Bravas, impedindo-os de cometer possíveis atos violentos no país:

    "Para a Copa do Mundo do Brasil, foi elaborada uma relação de integrantes da Barra Bravas e a identificação de alguns desses elementos dentro dos estúdios permitiu às autoridades brasileiras retirá-los, detê-los e enviá-los de volta ao seu país. E como eles entraram no Brasil mesmo sabendo dos riscos que iriam enfrentar? Simples, pela permeabilidade das fronteiras do Brasil. Então, eu acredito que a Rússia esteja tomando as mesmas medidas de cautela no sentido de identificar elementos de risco que possam causar preocupação para a Copa do Mundo de 2018."

    Mais:

    Copa do Mundo 2018: 'Brasil tem obrigação de passar em primeiro na fase de grupos'
    Putin confraterniza com Pelé na cerimônia do sorteio dos grupos da Copa do Mundo (VÍDEO)
    Hexa vem aí? 'Infalível', horóscopo chinês aponta quem vencerá a Copa de 2018
    Rússia aumenta segurança para Copa do Mundo de 2018 após ameaças do Daesh
    Tags:
    terrorismo, segurança, futebol, esportes, Jogos Olímpicos, Olimpíadas, Copa do Mundo, Ricardo Cabral, Moscou, Rio de Janeiro, Sochi, Brasília, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik