02:14 27 Maio 2018
Ouvir Rádio
    As pessoas a ver o lançamento do míssil balístico Hwasong-12 na televisão da estação ferroviária em Pyongyang, Coreia do Norte, 16 de setembro de 2017

    Analista: posição russa em relação à Coreia do Norte é mais vantajosa do que a dos EUA

    © AP Photo/ Jon Chol Jin
    Análise
    URL curta
    782

    Os analistas do clube de discussão Valdai apresentaram três variantes para o desenvolvimento da situação na região asiática até 2037.

    O primeiro cenário, o mais otimista, prevê a prosperidade para região graças à sua abertura econômica. Segundo ele, China aumentará seus laços com a Ásia Central. Tudo será realizado com a resolução do problema nuclear de Pyongyang como pano de fundo. Este cenário foi batizado de Prosperidade.

    O segundo, chamado de Bela Época, também pressupõe o desenvolvimento econômico, mas desta vez com divergências políticas. De acordo com esta previsão, Pyongyang não irá suspender seu programa nuclear, mas não começará um conflito aberto.

    O cenário mais dramático, Guerra dos Reinos, admite a desaceleração da integração econômica e a transição para acordos bilaterais. Na política profetiza-se o fracasso da política de não proliferação. Para além disso, será possível observar um enfraquecimento das instituições democráticas e o aumento do nacionalismo e extremismo religioso.

    O analista do Instituto Internacional de Pesquisas Político-Humanitárias Vladimir Bruter, falando com o serviço russo da Rádio Sputnik, destacou que não se pode definir com clareza como se vai desenvolver cada cenário, na realidade resulta que são mais de três os futuros possíveis para a região em questão. No entanto, nenhuma das previsões apresentadas traz riscos para a Rússia, opina o analista.

    "Acredito que para Rússia convêm todos os cenários apresentados, porque não há nenhuma versão fatal. Em cada variante, a Rússia permanece bastante segura e sem riscos específicos ligados à situação na península coreana", afirmou Bruter.

    Outra é a situação para os EUA, que têm presença militar nesta área.

    "Nem a Rússia, nem a China mantêm uma presença militar na área da península coreana, por isso, elas não estão envolvidas nesta situação. Isto torna a posição da Rússia e China mais benéfica em perspectiva de curto e médio prazo", explicou o analista, resumindo que, em qualquer dos cenários apresentados, a situação não será má para a Rússia.

    Mais:

    Espírito positivo ou 'plano esperto'? Trump reconhece influência de Moscou sobre Pyongyang
    Cooperação entre Moscou e Pyongyang será realizada de acordo com resolução da ONU
    Disputas e sanções: analistas debatem razões para ausência de testes da Coreia do Norte
    Que alvos a Coreia do Norte pretende atacar em uma ofensiva nuclear?
    Tags:
    economia, cooperação, Rússia, China, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik