08:27 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Caça-bombardeiro Su-34 durante missão na Síria

    'Operação da Rússia na Síria pôs fim ao mundo unipolar'

    © Sputnik/ Ministério da Defesa russo
    Opinião
    URL curta
    9222

    A operação militar da Rússia na Síria marcou o fim do mundo unipolar, declarou o representante especial do presidente russo para as relações com a Organização para a Cooperação Islâmica, ex-embaixador da Rússia no Iêmen, Líbia e Tunísia, Veniamin Popov.

    "Escolheria como ponto de partida o dia 30 de setembro de 2015, quando nossa Força Aeroespacial entrou na Síria", disse Popov, sublinhando que este foi um momento importante não apenas para o oriente Médio mas para todo o mundo.

    O diplomata ressaltou que foi naquele momento que "terminou o mundo unipolar".

    Segundo ele, a operação da aviação russa ajudou prever a intensificação da crise na Síria e evitar o fluxo de militantes deste país árabe à Europa.

    "Terminamos esta tendência e graças às nossas ações e às do governo sírio, foi lançado um golpe contra o Daesh [grupo terrorista proibido na Rússia]", afirmou.

    Popov chamou o sucesso da operação russa na Síria de "um mérito colossal" de Moscou perante toda a humanidade. A missão também demonstrou mudanças no equilíbrio de forças com o papel da Rússia aumentando e as posições do Ocidente enfraquecendo.

    "O Ocidente está passando por uma grave crise de sistema e continuará perdendo suas posições", acredita o diplomata.

    De acordo com ele, hoje em dia mais de 40 conflitos estão localizados no Oriente Médio, acrescentando que dado o caráter específico da região, acontecimentos nesta zona têm uma grande influência no desenvolvimento global.

    Mais:

    Exército sírio entra em Abu Kemal – maior bastião do Daesh no país
    Rússia apoia esforços sauditas para formar delegação unida da oposição síria
    Tags:
    balança de poder, aviação russa, operação militar, Força Aeroespacial da Rússia, Síria, Ocidente, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik