04:06 22 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Combatentes das Forças Democráticas da Síria em um veículo armado depois da libertação de Raqqa, Síria, outubro de 2017

    Libertação da 'cidade fantasma' é 'fruto teatral' da coalizão

    © REUTERS / Erik De Castro
    Análise
    URL curta
    Raqqa: do Daesh aos EUA (14)
    173

    A assim chamada capital do Daesh, Raqqa, foi liberada pelas Forças Democráticas da Síria com apoio dos EUA. Contudo, a Síria ainda continua considerando Raqqa ocupada em meio aos relatórios de que algumas forças desconhecidas estão operando na cidade agora. A Sputnik falou com um membro do parlamento sírio sobre a questão.

    Engenheiros militares russos na Síria
    © Foto : Ministério das Relações Exteriores da Rússia
    O deputado encarregado pelo Comitê de Relações Exteriores do Parlamento sírio, Amar Asad, disse à Sputnik que há muitos meios sugerindo que forças de fora estão controlando a cidade de Raqqa.

    "A coalizão internacional e o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia] destruíram até mesmo as árvores e pedras na cidade, não há nada com vida. Hoje em dia é uma cidade fantasma. Uma parte dos cidadãos escapou, enquanto muitos morreram", disse o deputado.

    Asad acredita que os Estados Unidos estejam usando os curdos para pôr em prática seus planos individuais; contudo, assim que o exército sírio retomar o controle da cidade, as circunstâncias vão mudar.

    "O plano norte-americano na Síria está dando seus últimos suspiros depois do fracasso na área política e militar", acrescentou.

    De acordo com o deputado, a operação em Raqqa levanta muitas questões, justamente por ter sido "fruto teatral necessário para aumentar a moral [dos oponentes do governo sírio] depois do sucesso e avanço do exército sírio".

    Para ele, não há outra opção a não ser a retomada de controle do exército sírio na cidade, acrescentando que a questão principal que surge depois da libertação de Raqqa é a seguinte: "Para onde foram os militantes do Daesh que estavam lutando na cidade?"

    Na sequência da libertação de Raqqa, muitos analistas se preocuparam com a escalada do suporte norte-americano às Forças Democráticas da Síria (SDF, na sigla em inglês), em sua maioria curdas, que estavam liderando a operação e o número de instalações militares dos EUA no norte da Síria. Contudo, os curdos se recusaram a revelar quaisquer detalhes, embora tenha sido confirmado que os EUA fornecem armas desde a libertação de Kobani em 2015.

    Ao mesmo tempo, a Síria se referiu aos relatórios sobre Raqqa da coalizão liderada pelos EUA como "enganosos", que visam dividir opiniões da comunidade internacional no que se refere aos crimes da coalizão alegadamente cometidos em Raqqa, comunicou no domingo a agência de notícias SANA, citando uma fonte oficial do Ministério das Relações Exteriores e dos Expatriados.

    Damasco vai continuar a considerar Raqqa uma cidade ocupada até que exército sírio a controle, disse a agência de notícias.

    As Forças Democráticas da Síria anunciaram em 20 de outubro a libertação plena de Raqqa das mãos do Daesh com apoio dos EUA. Depois de algumas horas, a coalizão, chefiada pelos Estados Unidos, confirmou a vitória e o presidente Donald Trump se referiu à operação de libertação da cidade como "avanço-chave", acrescentando que "a transição para a nova fase" deve ser aplicada.

    Tema:
    Raqqa: do Daesh aos EUA (14)

    Mais:

    Opinião: EUA estão formando 'centro de poder' alternativo em Raqqa
    Rússia planeja reduzir sua presença militar na Síria, diz mídia
    Senador russo: caso os russos abandonem Síria, o farão com consciência limpa
    Tags:
    califado, operação militar, libertação, Daesh, Forças Democráticas da Síria, Raqqa, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar