19:11 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Brasil já é o segundo maior exportador de armas para os EUA atrás apenas da Áustria

    Indústria brasileira de armas exporta, mas também mata, diz especialista

    © AP Photo / Lynne Sladky
    Análise
    URL curta
    25819
    Nos siga no

    O Brasil é um grande mercado importador e exportador de armas de fogo. Essa indústria, que movimenta milhões, também pode ser uma das responsáveis pela violência no Brasil e nos EUA.

    Nos últimos cinco anos o Brasil figura como o segundo país que mais vende armas de fogo para os EUA, segundo dados do Escritório de Álcool, Tabaco, Armas de fogo e Explosivos dos Estados unidos (ATF). 

    Segundo ATF, mais 3,5 milhões de armas, em sua maioria revólveres, foram exportados entre 2012 e 2016 para os EUA, o que representa 15% de todas as importações de armas do páis no período. Desse modo, o Brasil só perde para a Áustria nesse mercado.

    Para Pedro Paulo Rezende, especialista em assuntos militares, que conversou sobre o assunto com a Sputnik, a notícia não é uma novidade.

    "Isso não acontece só nos últimos cinco anos. É algo antigo. A Taurus possui, inclusive, uma fábrica nos Estados Unidos", disse o especialista.

    "Em sua maioria são armas de defesa, ou seja, revólveres e pistolas. Uma boa parte desse fornecimento é feito para unidades policiais, que nos Estados Unidos são municipais. A gente entra no segmento de baixo custo de uma forma muito agressiva", explicou Rezende.

    O interlocutor da Sputnik Brasil também revelou que o Brasil é um grande consumidor de armas norte-americanas.

    "Boa parte dos fuzis nas mãos de bandidos em São Paulo e no Rio de Janeiro vêm dos Estados Unidos, mas por contrabando. Os EUA realmente têm uma influência muito grande na venda ilegal de armas no país. O mesmo também ocorre no mercado legal. Os fuzileiros navais, por exemplo, usam fuzis americanos do modelo M16A3", destacou o estudioso.

    De todo modo, as empresas brasileiras lucram muito. Segundo o ranking elaborado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) do Brasil, as empresas fabricantes como a Forjas Taurus e a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) estão entre as 300 maiores empresas exportadoras do país em 2016. Cada uma delas movimentou mais de US$ 100 milhões no ano passado.

    Pedro Paulo Rezende reconheceu o valor das empresas, lamentou o forte lobby que fazem no congresso nacional para impedir pautas de controle de armamento no país.

    "São duas empresas que investem muito na tentativa de abrir o mercado brasileiro, de acabar com o estauto do desarmamento. Elas tem uma bancada forte dentro do congresso. A famosa bancada da bala. Essa bancada segura há mais de um ano um acordo internacional de controle de armas leves", afirmou Rezende.

    O reflexo disso seria negativo, segundo ele, pois as estatísitcas mostram que 75% das mortes por arma de fogo acontecem por motivos fúteis e afetam a parcela mais jovem da população.

    "A maior parte das vítimas das armas de fogo [no Brasil] são negras, entre 15 e 20 anos de idade, e que estão fora da escola", alertou o interlocutor da agência, que acredita na necessidade de defender o estatuto de desarmamento.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tags:
    exportações, desarmamento, armas, CBC, Taurus, Pedro Paulo Rezende, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar