18:08 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Curda iraquiana com a bandeira mostrando gesto de vitória durante as celebrações em Kirkuk

    Israel apoia referendo curdo 'para criar novos conflitos e desestabilização' na região

    © AFP 2019 / Ahmad Al-Rubaye
    Análise
    URL curta
    664
    Nos siga no

    Comentando os resultados do referendo do mês passado no Curdistão iraquiano, Hossein Sheikholislam, conselheiro do Ministério das Relações Exteriores iraniano, afirmou em entrevista à Sputnik que foi Isael quem incentivou o referendo.

    Na opinião de Hossein Sheikholislam, a ideia da independência do Curdistão iraquiano foi lançada por Israel, que "quer alcançar a desintegração de vários países através de sua fragmentação a nível nacional".

    "Este plano determina que uma parte dos territórios no Oriente Médio devem ser entregues aos marrons [africanos que escaparam da escravidão nas Américas] e aos drusos [comunidade religiosa autônoma, a maioria vive no Oriente Médio]. Um dos primeiros passos para implementar este plano foi o referendo da independência no Curdistão iraquiano", disse Hossein Sheikholislam.

    Quanto ao presidente do Curdistão iraquiano, Masoud Barzani, é muito provável que ele seja apoiado por Israel, de acordo com o diplomata.

    "Israel está fazendo os possíveis para acelerar as tensões na região, e agora, quando o combate ao Daesh está quase terminado, Tel Aviv quer jogar a "carta nacionalista" para criar novos conflitos e desestabilização", sublinhou o interlocutor da Sputnik Persa.

    Hossein Sheikholislam advertiu que todos os países da região devem se unir para evitar tal cenário.

    Ele reiterou que o referendo foi apoiado por Israel e corresponde aos seus interesses geopolíticos na região. O diplomata também advertiu contra as consequências do referendo.

    "Isso tem a ver com todos os países vizinhos e, levando em consideração o que aconteceu, o Irã, a Síria, o Iraque e a Turquia devem unir seus esforços para prevenir o separatismo étnico e as tentativas de dividir o Oriente Médio", concluiu.

    Na semana passada, o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, disse que seu país não está ligado ao referendo no Curdistão iraquiano, mas que se solidariza com o impulso de independência dos curdos.

    Mais cedo, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que Israel foi o único país que apoiou e reconheceu o referendo curdo no Iraque, acrescentando que os serviços de inteligência israelenses teriam ajudado a organizar a consulta popular.

    O referendo sobre a independência decorreu no Curdistão iraquiano em 25 de setembro.

    Segundo os resultados oficiais da Comissão Independente de Eleições e Referendo do Curdistão, 92.7 % dos votantes se expressaram a favor da independência do Curdistão iraquiano.

    O referendo tem sido duramente criticado não apenas pelo Iraque, mas também por outros países, incluindo o Irã e os EUA.

    A opinião do especialista pode não necessariamente coincidir com a da redação da Sputnik

    Mais:

    'Declarar guerra ao Curdistão iraquiano significa entrar em conflito com EUA e Israel'
    Opinião: adesão da Palestina à Interpol é derrota dos EUA e Israel
    Tags:
    conflito, desestabilização, incentivo, apoio, referendo, Massoud Barzani, Benjamin Netanyahu, Recep Tayyip Erdogan, Turquia, Curdistão iraquiano, Iraque, Irã, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar