02:03 24 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Tropas brasileiras são vistas durante uma cerimônia antes dos Jogos Olímpicos de 2016

    Exclusivo: Clube Militar comenta a hipótese da intervenção militar de general Mourão

    © AFP 2017/ VANDERLEI ALMEIDA
    Opinião
    URL curta
    17775063316

    A mais recente declaração do General Antonio Hamilton Martins Mourão, sugerindo uma intervenção militar face à crise política no Brasil, provocou reação entre seus colegas. A posição é de apoio, conforme declarou em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil o General de Divisão Clóvis Purper Bandeira, primeiro vice-presidente do Clube Militar.

    Para o general Clóvis Bandeira, nada no comentário do general Hamilton Mourão sugere que ele tenha cometido ato de indisciplina ou transgredido o Código Penal Militar em sua recente manifestação contra a corrupção.

    A declaração do General Mourão foi prestada numa loja maçônica em Brasília, em recente palestra. O militar respondeu da seguinte forma quando foi perguntado se caberia uma intervenção militar, diante de tanta corrupção no Brasil e de um Presidente da República duas vezes denunciado ao Supremo Tribunal Federal pela Procuradoria-Geral da República:  

    “Na minha visão, que coincide com a dos companheiros que estão no alto comando do Exército, estamos numa situação que poderíamos lembrar da tábua de logaritmo, de aproximações sucessivas. Até chegar ao momento em que ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou, então, nós teremos que impor isso”.

    Para o general Clóvis Purper Bandeira, nada indica que o general Hamilton Mourão tenha cometido algum deslize:

    “Eu não acredito que o general Mourão tenha cometido algum crime ou infração disciplinar. Ele apenas disse que o Exército tem planejamento e, como tal, trabalha com diversos cenários e diversas hipóteses tal como fazem os Exércitos organizados em todo mundo. Mas, em momento algum, o general Mourão atentou contra as autoridades, instituições e, Constituição Federal e Código Penal Militar”.

    Afirmando não haver dúvidas da gravidade do momento político que o país enfrente, o general Clóvis Bandeira disse ter plena convicção de que a manifestação do general Hamilton Mourão não terá conseqüências disciplinares:

    “O general falou o que todos percebem. Talvez suas palavras tenham sido exageradas por algumas pessoas que não as interpretaram adequadamente”.

    O primeiro vice-presidente do Clube Militar disse ainda não poder avaliar se existem pressões políticas no sentido de punir o general Mourão:

    “Isso nós não temos como avaliar. É uma questão que diz respeito ao Comando do Exército, ao general Eduardo Villas Boas, e que, evidentemente, não passa por nós no Clube Militar. O que eu posso dizer é reafirmar minha convicção de que o general Mourão não disse nada de ameaçador nem assustador, não transgrediu nenhuma norma disciplinar e não cometeu qualquer crime. Portanto, não há nenhum motivo para preocupações no país em relação às suas palavras”.

    Em 2015, quando estava à frente do Comando Militar do Sul, o general Antonio Hamilton Martins Mourão fez duras críticas à então Presidente Dilma Rousseff e a seu governo. Pouco depois de essas críticas se tornarem públicas, o militar deixou o Comando do Sul e foi transferido para a Secretaria de Economia e Finanças do Exército.

    Por sua vez, o Ministro da Defesa Raul Jungmann convocou o Comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, para pedir esclarecimentos e “estudar as medidas cabíveis” mas teve o cuidado de divulgar que o ambiente nas Forças Armadas é da mais absoluta coesão e de pleno respeito à hierarquia, à disciplina e às instituições.” Já o general Villas Boas adiantou a alguns órgãos de Imprensa que considera o episódio “superado”.

    Mais:

    Manifestantes invadem Câmara pedindo intervenção militar
    Clube Militar: 'Crise na Venezuela não é ameaça ao Brasil'
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik