01:25 18 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    15141
    Nos siga no

    Por trás das publicações alarmistas em várias mídias ocidentais, na sequência das ameaças trocadas pelos EUA e Coreia do Norte, podem estar interesses comerciais, opina o especialista em assuntos internacionais Nikolai Topornin.

    Há poucos dias, o jornal britânico The Sun publicou instruções para sobreviver caso comece uma Terceira Guerra Mundial.

    "É possível que por trás das publicações em tabloides sobre este tema estejam alguns interesses comerciais. Já ouvimos dizer que a demanda por instalações subterrâneas como bunkers cresceu notavelmente. E está claro a que se deve: os líderes dos EUA e da Coreia do Norte veem trocando declarações muito duras", disse à Sputnik Nikolai Topornin, professor do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO).

    Ao mesmo tempo, continua o especialista, "há um certo fundamento para tais publicações alarmistas".

    "Há pouco, na imprensa apareceu a informação de que o exército dos EUA tem um plano de efetuar ataques pontuais contra instalações de produção nuclear e relacionadas às tecnologias de mísseis na Coreia do Norte", explicou.

    O especialista sublinhou que, por enquanto, "não se trata de um conflito nuclear em grande escala".

    "Mas, ao mesmo tempo, não se pode excluir a possibilidade de um conflito com uso de armas convencionais. Além disso, os líderes dos dois países fazem declarações muito duras. Podemos constatar que os EUA e a Coreia do Norte estão atravessando agora uma fase muito 'quente'", advertiu.

    A situação na Península da Coreia tem se agravado nos últimos meses após uma série de lançamentos de mísseis e testes nucleares, realizados por Pyongyang, que foram interpretados como uma violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

    O líder norte-coreano, Kim Jong-un ameaçou tomar "ações físicas" contra os Estados Unidos depois do Conselho de Segurança ter aprovado novas sanções econômicas contra Pyongyang.

    O presidente norte-americano, Donald Trump, por sua parte, respondeu que a Coreia do Norte receberá "fogo e fúria" sem precedentes caso continue ameaçando os EUA.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    EUA continuam a impedir Rússia e China de cooperarem com Coreia do Norte
    Em meio às tensões, Coreia do Norte convoca seus embaixadores para reunião em Pyongyang
    Tags:
    mídia ocidental, alarmismo, ameaças, Donald Trump, Kim Jong-un, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar