00:45 26 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    2244
    Nos siga no

    Numa sessão do Conselho da Segurança da ONU, a Rússia apelou a todos os Estados-membros para apoiarem a iniciativa de Moscou e Pequim para resolução da crise na península coreana. Esta iniciativa foi uma resposta ao ultimato dos EUA sobre a Coreia do Norte.

    A questão da crise em torno da península coreana é uma das mais discutidas na agenda internacional. O país asiático realiza frequentemente provocações muito notórias, como a condenação à pena de morte da ex-presidente da Coreia do Sul, ou como os regulares testes de mísseis.

    Os últimos testes, realizados recentemente, foram bem-sucedidos, o que aproximou a Coreia do Norte do ponto de não retorno. Este ponto é a criação de um míssil balístico intercontinental que seja capaz de alcançar a Califórnia, bem como a criação de uma carga nuclear compacta que possa ser instalada nesse míssil. Se isto for realizado, o plano militar para lidar com o problema da Coreia do Norte pode se tornar real.

    Os americanos percebem que Pyongyang até agora ainda não atravessou a linha vermelha. Eles também percebem que as sanções introduzidas contra a Coreia do Norte não dão certo, porque Kim Jong-un as usa para provar ao povo que não tem medo dos "malditos imperialistas".

    Os EUA promovem estas provocações ameaçando com uma guerra, ou pelo menos com sanções, escalando assim o conflito.

    Caso a China apoiasse a solução dos EUA para a crise em questão, o regime norte-coreano se desmoronaria. Isto provocaria um fluxo de refugiados norte-coreanos para a China, surgiria um risco que fanáticos obtenham tecnologias nucleares, aconteceria o desmoronamento do exército norte-coreano, e finalmente surgiriam bases norte-americanas perto da fronteira chinesa. Mas recusando apoiar esta resolução a China vai enfurecer os EUA.

    A China e a Rússia elaboraram uma variante alternativa – um roteiro de compromisso para sair desta crise. A solução é congelar os testes de mísseis norte-coreanos e seu programa nuclear e fazer parar os exercícios provocativos dos EUA juntamente com a Coreia do Sul.

    Os Estados Unidos percebem que este roteiro russo-chinês não só ajudará resolver a crise, mas também vai diminuir a influência dos EUA na Ásia Oriental ao enfraquecer a aliança entre norte-americanos e sul-coreanos. Por isso, os EUA recusam seguir este plano, o que de fato significa que Washington se recusa a resolver o problema usando os meios diplomáticos.

    Gevorg Mirzoyan, professor do Departamento de Ciências Políticas da Universidade de Finanças do Governo da Rússia, para a agência Sputnik.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    EUA percebem que guerra com Coreia do Norte é um passo para guerra mundial
    Dia do Sol: maior desfile militar na Coreia do Norte em 360°
    EUA fazem de tudo para conter Coreia do Norte e podem partilhar dados secretos com Rússia
    Tags:
    Rússia, EUA, China, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Península Coreana, Donald Trump, ONU, Conselho de Segurança da ONU, reconciliação, tensão militar, crise política
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar