03:26 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Líderes dos países-membros da OTAN participam de cerimônia na sede da OTAN em Bruxelas, 25 de maio de 2017

    Análise: OTAN envia mensagem política 'vazia' ao unir-se à coalizão de combate ao Daesh

    © AFP 2019 / ERIC FEFERBERG / AFP
    Análise
    URL curta
    241
    Nos siga no

    A decisão da OTAN de se juntar à coalizão liderada pelos EUA contra o grupo terrorista Daesh, sem participar de operações de combate, envia uma mensagem política vazia e sem sentido, disseram especialistas à Sputnik.

    Na quinta-feira, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, anunciou em um comunicado que a aliança se unirá à coalizão liderada pelos EUA para derrotar o Daesh, que consistirá em reabastecimento aéreo e compartilhamento de inteligência. Segundo Stoltenber, a adesão da aliança envia uma "forte mensagem política".

    "Isso enviará uma 'forte mensagem política' de que a OTAN ainda sabe enviar fortes mensagens políticas", ironizou o diplomata canadense aposentado, Patrick Armstrong.

    Armstrong também observou que a declaração de Stoltenberg foi prejudicada no mesmo dia pela crítica pública sem precedentes do presidente Donald Trump aos países-membros da aliança por não cumprirem suas obrigações militares e financeiras, durante a cúpula de Bruxelas, da qual ambos estavam participando.

    Já o professor da Universidade de Rhode Island, Nicolai Petro, disse à Sputnik que a OTAN não possui força militar e influência política necessária para realizar uma contribuição significativa à luta contra o Daesh.

    "Se a OTAN tivesse qualquer contribuição a oferecer para a resolução do conflito sírio, já o teria feito", disse o especialista.

    Stoltenberg falou de uma posição de fraqueza e não de força. Seus comentários revelavam uma aliança muito fraca e dividida, observou Petro.

    "Foi uma declaração de apoio puramente retórica, muito aquém do compromisso que a administração Trump esperava…A explícita negativa da participação de operações de combate de Stoltenberg fala por si só", afirmou o professor.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    'Primeiro-marido' do premiê de Luxemburgo arrasa ao posar com primeiras-damas da OTAN
    A própria incompetência da OTAN provoca baixas
    Membros da OTAN investirão 2% do PIB em defesa
    Tags:
    opinião, análise, Daesh, OTAN, Patrick Armstrong, Nicolai Petro, Jens Stoltenberg
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar