20:39 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    25131
    Nos siga no

    Sputnik dialogou com o analista internacional, Sergio Rodríguez Gelfenstein, quem falou sobre os motivos e consequências do retiro da Venezuela da Organização dos Estados Americanos (OEA).

    A chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, anunciou no palácio presidencial, no dia 26 de abril, que seu país vai buscar os trâmites para abandonar a OEA. "Venezuela se retira da OEA por dignidade, para sua independência, para sua soberania, para a paz e futuro da nossa pátria", escreveu ela depois em seu Twitter. A decisão foi tomada logo após a OEA resolver convocar uma reunião entre os chanceleres dos 34 países integrantes para tratar a situação do país caribenho.

    "Venezuela devia ter saído desta organização tão rápido como quando aprovou sua Constituição bolivariana em 1999, ou em 2002 quando a OEA estimulou o golpe de Estado contra Hugo Chávez. É uma saída atrasada", diz à Sputnik Mundo Rodríguez Gelfenstein.

    O especialista considera que a OEA seja a expressão de um pensamento de integração com os EUA que se opõe à ideia de integração fundamentada por Simón Bolívar na Venezuela. "Um país chamado República Bolivariana fazer parte da OEA é uma absoluta contradição indenitária, pois trata-se de pertencer a uma ideia oposta da que defende", considera ele.

    Além disso, Gelfenstein indicou que outra razão da decisão tomada pelo Governo de Maduro tem a ver com a história. A OEA surgiu em 1948, um ano depois do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) que, entre outras coisas, estabelece que una agressão armada contra um Estado da região será considerado como um ataque contra todos os Estados da América. As partes se comprometiam a fazer frente ao ataque em exercício do direito imanente de legítima defesa individual ou coletiva. Porem, durante a Guerra das Malvinas entre Argentina e uma potência de fora da região, ou seja, Reino Unido, o TIAR no foi cumprido e os Estados Unidos apoiaram abertamente o seu aliado da OTAN.

    Para o especialista, o organismo interamericano faz parte de uma estrutura dos EUA para levar a cabo "seu modelo de controle e domínio" na América Latina e Caribe. "A OEA só serviu para promover, justificar, organizar e aprovar todos os desmanes, invasões e barbaridades que os EUA cometeram na região. Não é uma estrutura de iguais, onde todos possuem um mecanismo da participação equitativa. Sua sede está em Washington e 50% de suas intenções são postas pelos EUA", explicou Gelfenstein.

    O terceiro elemento que levou à tomada de decisão da Venezuela, segundo o especialista, é a presença de Luis Almagro na Secretaria Geral da organização. "Este homem tem uma obsessão com Venezuela, ao ponto tal que violentou a própria carta da OEA onde se estabelece a impossibilidade de convocar um Conselho Permanente se o Governo deste país não o aprova. Neste caso, foram realizadas convocatórias a reuniões para discutir o tema da Venezuela sem sua aprovação. Almagro levou com que a organização violasse sua própria carta constitutiva", destacou ele.

    Sobre as possíveis consequências desta saída, o especialista foi categórico: "Almagro, através da OEA, vai começar a pressionar por uma intervenção mais profunda na Venezuela, incluso a intervenção militar. Essa consequência seria mais grave."

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    'Há um golpe de Estado em pleno andamento na Venezuela'
    Venezuela: cansaço político augura possível golpe militar
    Tags:
    opinião, saída, manifestações, Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar