23:03 20 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    A primeira-ministra britânica, Theresa May, e a primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, se encontram em um hotel em Glasgow, na Escócia, em 27 de março de 2017.

    Opinião: 'Eleição antecipada no Reino Unido é tentativa de barrar independência escocesa'

    © REUTERS/ Russell Cheyne
    Opinião
    URL curta
    181823

    A decisão da primeira-ministra britânica, Theresa May, em convocar uma eleição geral, tem todas as características de um governo em plena crise política, argumenta o analista político e colunista da Sputnik International, John Wight.

    O raciocínio da primeira-ministra para as eleições gerais antecipadas, previstas para o dia 8 de junho, é dar-lhe o mandato necessário para levar o Reino Unido ao prolongado período de negociações com Bruxelas sobre os termos da saída do Reino Unido da União Europeia.

    Theresa May, deve-se salientar, sucedeu o seu David Cameron após a renúncia do colega de partido seguindo os resultados do referendo da UE. Ela foi eleita pelo partido conservador como líder, e como tal primeira-ministra, sem receber qualquer mandato democrático do eleitorado britânico.

    Dito isto, é impossível negar o sopro do oportunismo quando se trata da decisão de May em chamaruma eleição antecipada. Ao fazê-lo, ela claramente acredita que isso vai descarilar qualquer último vestígio de oposição pós-referendo do Brexit, abrindo assim o caminho para a imposição do que está sendo chamado de "Brexit duro" — ou seja, uma saída sem negociar qualquer acordo comercial com Bruxelas. O impacto potencial sobre a economia britânica nesse cenário é realmente desagradável, razão pela qual a primeira-ministra da Escócia e líder do Partido Nacional Escocês (SNP, na sigla em inglês), Nicola Sturgeon, tem exigido um segundo referendo sobre a independência escocesa recentemente. Como tal, o voto do SNP nas próximas eleições gerais do Reino Unido será um barômetro de apoio na Escócia para esta posição, apoio que pesquisas recentes sugerem estar faltando atualmente.

    A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, fala na Câmara no segundo dia do debate Escolha da Escócia sobre uma moção para solicitar à autoridade a realização de um referendo de independência.
    © AFP 2017/ RUSSELL CHEYNE / POOL
    A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, fala na Câmara no segundo dia do debate "Escolha da Escócia" sobre uma moção para solicitar à autoridade a realização de um referendo de independência.

    Na verdade, em vez de esclarecer a posição constitucional da Grã-Bretanha em relação à Europa, o Brexit só conseguiu chutar um ninho de vespas constitucional quando se trata do status da Escócia no Reino Unido. E o que os adversários da independência escocesa não compreendem é o quanto o primeiro referendo sobre a independência escocesa em 2014 despertou uma consciência nacional que não vai sumir tão cedo.

    Isso significa que a política na Escócia é agora vista através de um prisma nacional, muito em razão do detrimento de um Partido Trabalhista que por décadas foi o partido político dominante no país, mas que, após o primeiro referendo escocês da independência foi reduzido a um solitário membro escocês no Parlamento do Reino Unido em Westminster.

    Líder do Partido Trabalhista da oposição, Jeremy Corbyn, fala em Londres sobre o plano para o partido após o voto pelo Brexit (fevereiro, 2017)
    © AP Photo/ Alastair Grant
    Líder do Partido Trabalhista da oposição, Jeremy Corbyn, fala em Londres sobre o plano para o partido após o voto pelo Brexit (fevereiro, 2017)

    Esta próxima eleição geral do Reino Unido é, em essência, um segundo referendo sobre o Brexit e Theresa May está perseguindo uma estratégia inteligente ao convocá-lo. Com o Partido Trabalhista ainda atolado em uma disputa interna sobre o status de seu atual líder, Jeremy Corbyn, e com as últimas pesquisas de opinião revelando uma falta de apoio a um outro referendo sobre a independência escocesa, a primeira-ministra acredita que não há melhor momento para isolar a oposição e avançar com o já mencionado Brexit duro.

    Os detratores sindicalistas de Nicola Sturgeon repetiram o apelo para um novo referendo, o segundo em três ou quatro anos, considerando-o desnecessariamente perturbador e divisivo num momento em que a Grã-Bretanha precisa se unir. Afirmam que, em vez de continuar este caminho constitucional, ela deve aceitar o resultado do referendo da UE e continuar com o "trabalho diário" de liderança do governo descentralizado da Escócia.

    No entanto, isto é tendencioso e falso, considerando que 62% das pessoas na Escócia votaram para permanecer na UE no referendo de 2016 sobre a adesão da Grã-Bretanha.

    Na sequência da decisão que aprovou o Brexit — em todo o Reino Unido, foram 52% a favor da saída e 48% pela permanência — a primeira-ministra da Escócia tem tentado negociar um acordo de compromisso com o governo de Theresa May, em que a Escócia poderia manter a adesão ao mercado único europeu enquanto, ao mesmo tempo, permaneceria parte de um Reino Unido que posiciona fora da UE.

    Neste contexto, Sturgeon é clara: o acesso ao mercado único é vital para a saúde da economia escocesa em termos de emprego, investimento e o papel que os migrantes da UE têm desempenhado para preencher um déficit de competências na economia.

    Infelizmente, as tentativas da primeira-ministra escocesa de chegar a qualquer acordo com a primeira-ministra da Grã-Bretanha foram todas rejeitadas sem cerimônia, sacrificadas aos interesses da ala anti-Europa do Partido Conservador de Theresa May e de uma mídia de direita  na Inglaterra. É uma refutação que coloca a pergunta à prova: a Escócia é uma nação parceira ou apenas uma região do Reino Unido? Nenhum líder do Partido Nacional Escocês, muito menos um que também é o primeiro-ministro do Parlamento escocês poderia aceitar o último status dentro dessa questão.

    Analisando esta questão num contexto mais amplo, estamos vivendo uma era de crises constitucionais, com forças centrífugas dentro da UE ganhando impulso político crescente nos últimos anos. Este impulso crescente é, no entanto, um sintoma de um mal-estar mais profundo dentro do neoliberalismo, que no momento em que se escreve isso está falido, exceto pelo nome. Uma variante do capitalismo baseada no primado da economia sobre a política e a soberania nacional, o neoliberalismo caiu contra as rochas tremenda desigualdade semeou, dividindo o mundo entre uma pequena elite super-rica e todos os demais.

    Nas palavras do irlandês William Butler Yeats:

    "Tudo se parte, o centro não sustenta.

    Mera anarquia avança sobre o mundo,

    Marés sujas de sangue em toda parte

    Os ritos da inocência sufocados.

    Os melhores sem suas convicções,

    Os piores com as mais fortes paixões".

    As opiniões expressas neste artigo são apenas as do autor John Wight e não refletem necessariamente a posição oficial do Sputnik.

    Mais:

    Parlamento escocês vota a favor da realização do segundo referendo da independência
    Escócia estuda a possibilidade de sair da Grã-Bretanha depois do Brexit
    Tags:
    Brexit duro, Brexit, SNP, Partido Nacional Escocês, Partido Trabalhista britânico, Partido Conservador, União Europeia, John Wight, William Butler Yeats, Nicola Sturgeon, Theresa May, Jeremy Corbyn, David Cameron, Westminster, Escócia, Grã-Bretanha, Bruxelas, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik