21:01 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Encontro entre Vladimir Putin e Michel Temer em Moscou, em 2011

    'Relacionamento Temer-Trump não vai afetar relações Brasil-Rússia'

    AP Photo / Mikhail Metzel, pool
    Opinião
    URL curta
    462676108

    "O revigoramento das relações do Brasil com os Estados Unidos em nada afetará a Rússia", diz o Embaixador José Botafogo Gonçalves, vice-presidente emérito do Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais) e diplomata com grande experiência em relações políticas e comércio exterior.

    A opinião de José Botafogo Gonçalves foi manifestada em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, a propósito da informação divulgada pelo embaixador brasileiro em Washington, Sérgio Amaral, de que ainda este ano Donald Trump receberá nos Estados Unidos o Presidente Michel Temer, provavelmente no mês de setembro, quando acontece em Nova York a tradicional Assembleia-Geral da ONU (Organização das Nações Unidas).

    Seria uma tentativa de reaproximação dos Estados Unidos com o Brasil após um período de distanciamento verificado nos Governos do PT com os Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff? Para o Embaixador José Botafogo Gonçalves, a questão não pode ser colocada nestes termos:

    "Eu não diria que a expressão 'tentativa de reaproximação' seria a mais descritiva do atual nível de relações entre Brasil e Estados Unidos. As relações entre os dois países sempre foram muito intensas, tanto na área do comércio quanto na área cultural e quanto na política também. Os Estados Unidos sempre foram um dos mais importantes parceiros do Brasil. O que aconteceu nos últimos anos foi, efetivamente, uma deterioração das relações políticas em função de visões ideológicas diferentes de como o mundo se organizava. De um lado, o regime mais liberal e intervencionista de Barack Obama, e de outro o regime de Lula e, sobretudo, o de Dilma, mais isolacionista e mais antiamericano. Esse quadro mudou porque quase toda a América Latina – e quase toda a América do Sul, em particular – está voltando para suas posições de centro e, em alguns casos, de centro-direita. Isso, naturalmente, influi na relação política bilateral."

    O Embaixador José Botafogo Gonçalves acrescenta que "a eleição do Trump embaralhou as cartas".

    "Ninguém sabe, até hoje, qual é a política externa que Trump vai adotar", considera o diplomata. "Ele tem tomado iniciativas isoladas, erráticas, mas ainda sem uma consistência programática. O encontro entre os dois presidentes vai selar, digamos assim, uma aproximação que já vem ocorrendo de fato. Eu acho que é uma atitude positiva, que será benéfica para as relações bilaterais e que terá impacto nas relações hemisféricas."

    Ex-secretário de Cooperação Econômica e Técnica Internacional da Presidência da República e ex-vice-presidente de Relações Externas do Banco Mundial em Washington, entre os anos de 1985 e 1987, José Botafogo Gonçalves não acredita que o convite de Donald Trump para Michel Temer possa embutir alguma forma de abalar o relacionamento do Brasil com a Rússia, neste período em que se acentuaram as divergências entre os Governos da Rússia e dos Estados Unidos:

    "Não creio que o convite de Donald Trump a Michel Temer para uma conversa nos Estados Unidos tenha algum propósito, ainda que subjetivo, de interferir no relacionamento do Brasil com a Rússia. As relações do Brasil com os Estados Unidos estão indo bem, não há nenhum problema grave entre os dois países, mas, do ponto de vista da política externa norte-americana, o Brasil é um país marginal, é um país que está longe dos focos de tensão e das áreas prioritárias dos Estados Unidos."

    "Graças a Deus, aliás", acrescenta o embaixador, que conclui:

    "As decisões que o Presidente Donald Trump venha a tomar em relação à Rússia não estarão afetadas por um posicionamento do Brasil nesse contexto. O Brasil tem uma relação, no BRICS, com a Rússia, com a Índia, com a China e com a África do Sul, muito mais derivada do seu tamanho do que de objetivos políticos comuns. Na verdade, a política externa brasileira não tem nada a ver com a política externa russa, com a política externa chinesa, com a política externa indiana e com a política externa da África do Sul. De modo que, nesse campo, as relações políticas do Brasil com os Estados Unidos são relativamente marginais."

    Mais:

    Embaixador diz que Temer pode se encontrar com Trump ainda neste ano
    Vice de Trump fala com Temer ao telefone e dá primeiros passos no diálogo
    Donald Trump elogia governo de Michel Temer em conversa telefônica
    Temer comenta vitória de Trump: 'Muda nada nas relações Brasil e EUA'
    Tags:
    relações internacionais, relações econômicas, relações comerciais, BRICS, Banco Mundial, ONU, Dilma Rousseff, Lula, Michel Temer, Donald Trump, América Latina, Nova York, EUA, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik