15:18 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Michel Temer faz propaganda da carne brasileira em encontro com Pedro Taques, governador do Mato Grosso

    'A carne brasileira é excelente', não é fraca

    Marcos Corrêa / PR
    Análise
    URL curta
    632

    Quase duas semanas depois de a Polícia Federal anunciar com grande estardalhaço a realização da Operação Carne Fraca que, a princípio, resultou em suspensão das importações da carne nacional em outros países, os pecuaristas brasileiros acreditam que a situação começa a melhorar.

    Quem faz esta afirmação é o engenheiro agrônomo Luíz Alberto Moreira Ferreira, presidente da ABC, Associação Brasileira de Criadores, entidade fundada há 90 anos e que congrega os criadores de todo tipo de gado no país. Em entrevista à Sputnik Brasil, Ferreira comentou não só o impacto da Operação Carne Fraca junto aos produtores como também a liberação de uma linha de crédito de 1 bilhão de reais anunciada pelo Banco do Brasil.

    "O impacto da Operação Carne Fraca para nós, pecuaristas, foi o pior e o mais intenso possível. Todos nós, tanto os criadores de gado quanto as empresas donas de frigoríficos, sabemos dos cuidados que temos de observar para que a população brasileira e mundial consuma, em total segurança, a carne do gado nacional. Mas o estrago foi feito e a situação só começou a melhorar depois que o próprio governo entrou em ação, com o Presidente Michel Temer e o Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que nós conhecemos bem pela sua competência e honestidade, tranquilizando os mercados nacional e internacional. Eu digo o mesmo que o governo e os empresários da carne vêm afirmando desde a deflagração da Operação Carne Fraca: a carne brasileira é excelente, é muito bem cuidada e pode ser consumida em total segurança."

    Quanto à linha de crédito anunciada pelo Banco do Brasil, no valor de 1 bilhão de reais, ela foi oferecida pela instituição para cobrir os prejuízos dos pecuaristas com a desvalorização do preço da arroba do boi gordo no mercado do Estado de São Paulo. Antes da Operação Carne Fraca, ela estava cotada a R$ 150 e, depois, caiu para R$ 130 e R$ 135, segundo o Dr. Luíz Alberto. Na terça-feira, 28, o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) constatou que a arroba, no mercado do estado de São Paulo, uma importante referência nacional, foi negociada a R$ 140,98, o menor nível desde 18 de agosto de 2015.

    No entanto, o presidente da ABC acredita que os pecuaristas não precisarão ir ao Banco do Brasil buscar esse dinheiro.

    "A situação está melhorando e os pecuaristas têm condições de, com sua experiência na administração dos negócios do gado, recuperar os prejuízos pelos seus próprios meios", afirmou.

    Além do crédito oferecido, o Banco do Brasil, visto como o maior financiador do agronegócio do país, ofereceu também a repactuação das operações de custeio para os criadores de bovinos que estejam em dificuldades. Em nota oficial, a instituição informou que tem como objetivo "apoiar os produtores rurais pecuaristas que possam apresentar dificuldade momentânea para comercializar sua produção".

    Pecuaristas que tomarem empréstimos no Banco do Brasil, dentro desta linha de crédito, terão prazo de até dois anos para pagamento, com taxas de juros variando de 9,9% a 12,75% ao ano. Ainda de acordo com a instituição, "o Banco do Brasil oferecerá a seus clientes pecuaristas a possibilidade de prorrogar, por um ano, operações de custeio e investimento com vencimento entre março e junho deste ano". 

    Mais:

    Hong Kong retoma parcialmente importação de carne brasileira
    Balança da exportação de carne brasileira ainda mostra receita indigesta
    No Rio, Comissário da UE afirma que quer restaurar confiança na carne brasileira
    Pequim decide reabrir mercado para importações de carne brasileira
    Operação Carne Fraca aponta indícios de curral político em indicações
    Tags:
    operação carne fraca, carne, Polícia Federal, ABC, Associação Brasileira de Criadores, Luíz Alberto Moreira Ferreira, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik