03:48 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Ministro da Educação Mendonça Filho

    Passando o chapéu: ministro da Educação vai ao Banco Mundial

    José Cruz / Agência Brasil
    Análise
    URL curta
    7212

    O ministro da Educação, Mendonça Filho, iniciou nesta quarta-feira, 29, um tour pelos Estados Unidos para tratar da educação no Brasil. Em Washington, o ministro participa de reuniões no Banco Mundial (BIRD) e no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em busca de financiamento para implantação do novo ensino médio no Brasil.

    Nesta viagem, ainda, o ministro vai proferir palestra na Wharton School, da Universidade da Pensilvânia, em Filadélfia. Depois, em Tallahassee, Flórida, Mendonça terá reuniões com o governador e com a comissária de Educação da Flórida, e em Miami se reunirá com o presidente da Florida International University e com o presidente do Miami-Dade College.

     

    Em relação às tratativas de Mendonça Filho com o Banco Mundial (BIRD) e com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o pedagogo Lincoln Araújo, professor da Faculdade de Educação da UERJ, diz que o Brasil tem crédito para obter recursos no exterior e, assim, financiar a educação, mas, em relação ao novo ensino médio ou à reforma do ensino médio, Lincoln Araújo tem sérias restrições:

    "O Brasil tem crédito nos bancos internacionais, a qualquer momento", o Professor Araújo reconhece. "O país pode buscar financiamentos para os seus programas porque nos últimos 20 anos construiu uma credibilidade no mercado financeiro internacional em relação às instituições de financiamento – o BIRD (o Banco Mundial), o BID. Esse dinheiro está sempre disponível para o Brasil para que ele possa atingir patamares exigidos em relação aos indicadores internacionais. O que o ministro está fazendo lá, na verdade, é corroborar com a possibilidade de financiamentos que já existem. O que precisamos pensar, efetivamente, é o porquê de o ministro da Educação, neste contexto de crise institucional profunda que estamos passando, pedir esses créditos, financiamentos a uma reforma do ensino médio que tem que ser pensada também no contexto da crise político/institucional."

    Professor Lincoln Araújo destaca que a reforma "passou impávida" pela Câmara do Deputados e pelo Senado, e que "houve, silenciosamente, uma reforma da Lei de Diretrizes e Bases da Educação nacional no que se refere à reforma do ensino médio, mas também ao currículo, quando, por conta da reforma do ensino médio, foram retirados alguns elementos que foram conquistas do movimento social em relação à educação, como a questão sobre a história do negro no país; a não obrigatoriedade de oferecer o ensino das artes, da educação física, reforçando um eixo de currículo principalmente na área de matemática, língua portuguesa e inglês".

    Lincoln Araújo acrescenta:

    "O sentido dessa reforma tem como objetivo, pragmaticamente falando, atingir os indicadores exigidos pelo PISA [Programa Internacional de Avaliação de Alunos], que é o modelo de avaliação exigido internacionalmente. É importante também percebermos que, da Constituição de 1988 até agora, o marco do Governo Fernando Henrique até o Governo Dilma, nós estamos a passos lentos mas avançados em relação à organização da educação no país. Temos que reconhecer isso. Esse marco inicial é a Constituição de 1988, mas é o Governo Fernando Henrique que dá o início com o Fundef – Fundo de Desenvolvimento do Ensino Fundamental. Há um avanço para a universalização do ensino no país. E isso vem acontecendo em passos de tartaruga mas consolidando um avanço do país na organização do seu sistema nacional de ensino."

    Para o Professor Lincoln Araújo, a reforma do ensino médio é um retrocesso:

    "Só se universaliza o ensino pelo sistema público, com acesso a todos. No caso do Brasil, essa universalização é tardia, porque é no final dos anos 1990 que ela acontece. E é precarizada por conta dos poucos e raros investimentos que tivemos na educação. Esse contexto é importante para entendermos essa reforma de agora. Essa reforma é um retrocesso porque ela, de certa forma, copia uma reforma educacional que o regime militar fez no início dos anos 1970, que foi a Lei n.º 5.692/71, que vinculou, efetivamente, a formação geral do antigo segundo grau aos cursos técnicos."

    Mais:

    Câmara aprova texto-base da reforma do ensino médio
    Brasil cai no ranking mundial de educação e Governo quer pressa na Reforma do Ensino
    PT promete combater proposta de reforma do Ensino Médio
    Tags:
    Reforma do Ensino Médio, empréstimos, Ensino Médio, financiamento internacional, educação, PISA, BIRD, BID, Mendonça Filho, Fernando Henrique Cardoso, Dilma Rousseff, Miami, Pensilvânia, Filadélfia, Flórida, EUA, Washington, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar