14:19 21 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Edifício do Supremo Tribunal Federal em Brasília, Brasil (foto de arquivo)

    Até onde vai a Lava Jato? E quais as suas consequências?

    © AFP 2019 / EVARISTO SA
    Análise
    URL curta
    2493
    Nos siga no

    A Procuradoria-Geral da República pediu ao Supremo Tribunal Federal abertura de inquérito para investigar pelo menos dois ministros do Governo de Michel Temer, além de destacados senadores do PMDB e do PSDB, aliados do presidente, todos citados nas delações premiadas da Odebrecht.

    Na mira do Procurador-Geral Rodrigo Janot também estão o ex-chanceler de Michel Temer, José Serra, e o ex-candidato à Presidência da República, Senador Aécio Neves (PSDB-MG), derrotado por Dilma Rousseff em 2014, além da própria Dilma e do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    Todos estes processos e pedidos de abertura de inquéritos e procedimentos investigativos decorrem das quase 40 fases da Operação Lava Jato, deflagrada em 2014 e a esta altura sem prazo para terminar. O próprio Juiz Sérgio Moro, titular da 13.ª Vara Federal Criminal de Curitiba, no Paraná, condutor da Lava Jato, gostaria de tê-la concluído em 2015, mas em 2016 ela ganhou uma prorrogação, e agora, com o aumento crescente do número de delações premiadas, o objetivo de concluí-la em 2017 parece cada vez mais distante. Só de executivos e ex-executivos do Grupo Odebrecht são 77 termos de colaboração (denominação jurídica da delação premiada) para serem analisadas pelo Poder Judiciário.

    Para o historiador e cientista político Antônio Marcelo Jackson, professor do Departamento de Educação e Tecnologias da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), a questão não é saber para onde vai a Operação Lava Jato, mas até que ponto ela poderá chegar:

    "Se tivéssemos instituições sérias e robustas, como vários países têm, eu ficaria muito feliz com os rumos da Operação Lava Jato", afirma Jackson. "Agora, eu fico muito preocupado com o que poderá acontecer no Brasil e com as nossas instituições. Isto porque os atores que as fazem se movimentar são muito fracos, e infelizmente a nossa sociedade, por meio do voto, contribui para isso."

    Projetando-se o futuro, o que poderá acontecer no Brasil e ao Brasil diante do aprofundamento da Operação Lava Jato? O que poderá acontecer com a democracia brasileira à medida que fatos escusos da política vão se tornando cada vez mais públicos e, portanto, de amplo conhecimento da sociedade?

    Para Antônio Marcelo Jackson, as expectativas são preocupantes:

    "Vamos pensar e levar a sério todas as denúncias que vêm sendo feitas. Vamos imaginar que todas as denúncias sejam comprovadas e essas pessoas [acusadas] sejam impedidas de se candidatar. Não estou me referindo a partidos políticos, mas, sim, a nomes, pessoas. Sobrariam dessa lista algumas pessoas da extrema direita, pessoas fascistas, como aconteceu na Itália, algumas destas pessoas namorando muito seriamente o neonazismo. Enfim, é para estas pessoas que vai a nossa república democrática."

    A opinião do especialista pode não necessariamente coincidir com a da redação da Sputnik

    Mais:

    PT quer investigar delegados da Lava Jato
    Moro condena mais cinco na Lava Jato
    Lava Jato afeta empresas brasileiras no Peru
    Tags:
    delação premiada, neonazismo, inquérito, Operação Lava Jato, Odebrecht, PSDB, Sérgio Moro, Antonio Marcelo Jackson, Lula, Dilma Rousseff, Aécio Neves, José Serra, Michel Temer, Rodrigo Janot, Curitiba, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar