04:23 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    341
    Nos siga no

    O presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Espírito Santo disse hoje, em entrevista à Sputnik, que a paralisação dos PMs no estado foi um reflexo do pensamento de todos os servidores, o de que é preciso lutar por seus direitos e exigir do governo estadual o cumprimento de suas obrigações, previstas na Constituição.

    Com a prisão daqueles que são considerados os mentores da paralisação da Polícia Militar do Espírito Santo – entre eles, o Tenente-Coronel Carlos Alberto Foresti e o Capitão e ex-deputado federal Lucínio Castelo de Assumção, tido como aliado do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), o governo estadual considera que a situação esteja voltando à normalidade.  

    Mas não é essa, porém, a avaliação do funcionalismo público estadual. Em entrevista à Rádio Sputnik, Haylson de Oliveira, Presidente do SindiPúblicos (Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo) afirmou que embora seu Sindicato não mantenha relações mais aprofundadas com os representantes da Polícia Militar, a paralisação da categoria refletiu o pensamento dos servidores estaduais:

    "A paralisação dos Policiais Militares veio de encontro ao que estamos reivindicando que é o cumprimento da Constituição Federal. A lei determina que o funcionalismo receba aumentos salariais todos os anos e nós, servidores públicos estaduais do Espírito Santo, estamos há três anos sem receber aumento."

    Em relação aos líderes do movimento e, em particular, com o Capitão Assumção, Haylson de Oliveira diz não manter maior proximidade mas considera que a iniciativa dos PMs do Espírito Santo foi muito importante:

    "Nós estamos focados nas reivindicações dos funcionários públicos estaduais do Espírito Santo e os PMs são servidores públicos estaduais como toda nossa categoria é. Então, temos de respeitar seu movimento e compreender as razões que levaram os policiais militares à paralisação."

    Segundo Haylson de Oliveira, o funcionalismo público do Espírito Santo não pode pagar pela crise administrativa do Estado:

    "O governador Paulo Hartung é extremamente autoritário e conduz o seu governo de forma a beneficiar os grandes empresários. Com isto, as reivindicações dos funcionários ficam em segundo plano. Querem nos culpar por uma crise econômica a que nós não demos origem nem temos qualquer responsabilidade sobre ela. Então, é mais do que justo que cobremos nossos direitos e continuemos a exigir do governo estadual o cumprimento de suas obrigações para com os servidores públicos do Estado."

    Além do Capitão da reserva da PM Lucinio Castelo de Assumção, conhecido como Capitão Assumção, e do Tenente-Coronel Carlos Alberto Foresti, também se entregou ao Comando da Polícia Militar do Espírito Santo o sargento Aurélio Robson Fonseca da Silva. Após estas prisões, o Comando da PM informou que os inquéritos contra estes policiais militares continuarão em andamento mas garantiu que não serão instaurados novos procedimentos.

    Por sua vez, o Secretário de Controle e Transparência do Espírito Santo, Eugênio Ricas, declarou que há indícios claros de que o movimento de paralisação dos Policiais Militares foi motivado por interesses políticos e econômicos.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Insegurança Pública: braços armados de braços cruzados
    Jovem tradutora cria biblioteca popular em praia do Espírito Santo
    Temer: greve da PM no Espírito Santo é inaceitável
    Tags:
    Polícia Militar, PM, Aurélio Robson Fonseca da Silva, Eugênio Ricas, Paulo Hartung, Haylson de Oliveira, Lucínio Castelo de Assumção, Carlos Alberto Foresti, Jair Bolsonaro, Espírito Santo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar