04:44 26 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Senador Cristovam Buarque - PPS/DF

    Cristovam Buarque: 'Não há, neste momento, nomes para substituir Michel Temer'

    Jefferson Rudy/Agência Senado
    Análise
    URL curta
    3229

    O Ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, recebeu nesta segunda-feira, 19, o conteúdo das delações premiadas de 77 diretores do Grupo Odebrecht em 800 depoimentos relacionados ao pagamento de propinas para alguns políticos.

    Para muitos, o conteúdo das delações da Odebrecht pode representar uma grave ameaça para o Governo do Presidente Michel Temer. Outros, como o Senador Cristovam Buarque (PPS-DF), acreditam que as ameaças vão muito além. Segundo o parlamentar, as ameaças pairam sobre a classe política em geral.

    "Creio que o conteúdo destas delações representa um grande risco para todos nós que fazemos política no Brasil", diz Cristovam Buarque em entrevista à Sputnik Brasil. "Não só para o Presidente Michel Temer e para a sua equipe de Governo como também para a oposição. Ninguém sabe o que vem por aí. Mas seja qual for o conteúdo destas delações, um efeito positivo haverá, o de purificar a política no Brasil, ainda que sejam necessários alguns anos para isto se concretizar."

    Cristovam Buarque diz, no entanto, não poder acompanhar as previsões de que o Presidente Michel Temer não concluirá seu mandato:

    "Não chego a este ponto, embora reconhecendo a situação politicamente frágil em que ele se encontra. Até porque não se retira um presidente de um mandato sem se colocar outro em seu lugar. A não ser que o Tribunal Superior Eleitoral, em 2017, casse a chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, e, então, competirá ao Congresso Nacional escolher, por via indireta, o seu sucessor. Quando Dilma saiu, havia o próprio Temer. E agora quem há? Não há, neste momento no Brasil, nomes para uma eventual substituição do presidente da República."

    Para o Senador Cristovam Buarque, os riscos de uma precipitação política em torno desta possível sucessão são muito grandes:

    "Primeiro, porque o novo presidente da República teria de ser escolhido por um Congresso Nacional sem credibilidade, no que eu me incluo. Segundo, porque certamente haverá impactos para a economia. Se um eventual próximo presidente se comprometesse a manter Henrique Meirelles no Ministério da Fazenda, isto poderia tranquilizar o mercado e acalmar especulações. Mas quem pode assegurar isso hoje no Brasil? Portanto, tão grave quanto substituir, antecipadamente, o presidente da República é pensar em como ficará a condução da economia no país."

    Ao receber da Procuradoria-Geral da República as delações premiadas dos diretores da Odebrecht, o Ministro Teori Zavascki informou que sua equipe de juízes auxiliares trabalhará no recesso do Poder Judiciário, que começa na terça-feira, 20, para analisar o conteúdo do que os colaboradores revelaram aos membros do Ministério Público Federal.

    Mais:

    Julgamento de cassação da chapa Dilma-Temer é adiado para 2017
    Líder do DEM pede gesto maior de Temer e eleições antecipadas
    Tags:
    corrupção, eleições indiretas, linha de sucessão, economia, delação premiada, Procuradoria Geral da República (PGR), Odebrecht, Congresso Nacional, TSE, MPF, Teori Zavascki, Dilma Rousseff, Cristovam Buarque, Michel Temer, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar