14:42 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Rebeldes xiitas, conhecidas como houthis, protestam contra  ataques aéreos sauditas

    Opinião: É vergonhoso para Espanha ter um aliado como Arábia Saudita

    © AP Photo/ Hani Mohammed
    Opinião
    URL curta
    4113

    O bloqueio que prevê ‘suspensão imediata’ da venda e do apoio militar à Arábia Saudita, imposto pelo Parlamento Europeu em fevereiro deste ano, foi levantado pelo governo espanhol, comunica o jornal El Pais. O levantamento das restrições ocorreu na véspera de uma visita do rei da Espanha, Felipe VI, à capital saudita.

    A visita, que terminou nesta segunda-feira (14) e cujo foco seria a celebração de um acordo entre a empresa pública espanhola Navantia e o Ministério da Defesa saudita e, com o aval do governo espanhol, a assinatura de um contrato no valor de 2 bilhões de euros para compra de 5 corvetas. Além disso, foi desbloqueada a venda de projéteis de artilharia de 155 milímetros ao preço de 40 milhões de euros, que o governo espanhol tinha mantido suspenso.

    Para o analista militar Gustavo Morales Delgado, esta medida é realmente surpreendente, já que no momento a Arábia Saudita continua bombardeando o Iêmen, um país devastado e sem recursos, causando-lhe milhares de vítimas.

    O perito também explica que uma ligação que existe entre os wahhabitas sauditas e o grupo terrorista Daesh, assim como outros similares, tais como a Frente Fatah Al-Sham (ex-Frente al-Nusra), mostra que este país árabe, antigamente através da Turquia e agora de modo direto, é quem fornece armamentos a estes grupos. Como eles costumam usar artilharia leve em alguns casos, agora será exatamente a Espanha a fornecer as munições. 

    É de assinalar que a Arábia Saudita é um dos maiores compradores de armamentos espanhóis. Em 2015, o valor total de importações militares, inclusive de aeronaves de reabastecimento aéreo, somou 546 milhões de euros. Isto apesar do fato de o Parlamento Europeu ter proibido aos Estados membros de prestar apoio militar a Riade.

    Assim, o país árabe “pode usar estes armamentos de duas maneiras: ou agudizar o conflito sírio continuando fornecendo equipamento militar aos terroristas, ou utilizá-los na guerra do Iêmen.  Em qualquer dos casos, estas armas serão utilizadas fora do país”, indica Morales Delgado em uma entrevista à Sputnik Mundo.

    Na Espanha também há quem se tenha manifestado contra a visita do rei. Uma série de partidos políticos, inclusive o Podemos e a Esquerda Republicana da Catalunha criticaram-na ferozmente, insistindo mesmo no seu cancelamento, enquanto o partido Cidadãos apelou ao rei para que abordasse a questão dos direitos humanos durante o encontro. A organização não-governamental Anistia Internacional enviou uma carta ao rei Filipe VI, na qual pediu para que ele utilizasse sua influência e fizesse a Arábia Saudita pôr fim aos ataques aéreos contra a população civil iemenita.

    Neste sentido, Morales Delgado considera que a visita do rei ao país árabe é uma questão apenas de negócios, e se Filipe VI chegar a mencionar o problema da violação dos direitos humanos, ele o fará somente depois da assinatura de todos os contratos previstos.

    “Claro que a Arábia Saudita é uma monarquia absoluta que, para vergonha de todo o mundo, está presidindo ao Comitê de Direitos Humanos da ONU. Lá continuam se efetuando decapitações, repressão estatal, a mulher é tratada como um animal. Lá se cortam braços, cabeças, se crucificam pessoas. A Espanha não está precisando de tal ‘aliado’, mais que isso, este país não deveria estar na lista dos primeiros que o rei visita após a cimeira Ibero-americana”, frisa o acadêmico.

    “Filipe VI nos faz recordar que os reis são a vergonha da história, e a Casa de Saud é a vergonha dos reis”, concluiu.

    Mais:

    Embaixador saudita nos EUA diz que bombardear o Iêmen é como 'bater na esposa' (VÍDEO)
    Irã: Arábia Saudita integra Conselho de Direitos Humanos por razões políticas
    Ataque da coalizão saudita mata 30 rebeldes no Iêmen
    Tags:
    bombardeamento, fornecimento, armamentos, contratos, negociações, visita de Estado, Houthis, Casa de Saud, Esquerra Republicana de Catalunya (ERC), Podemos, Felipe VI, Espanha, Iêmen, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik