15:36 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Manifestantes protestam contra troika e governo em Lisboa, Portugal

    'Temos que de alguma forma responder aos 'grandes' da Europa'

    © AFP 2017/ FRANCISCO LEONG
    Opinião
    URL curta
    Cristina Mestre
    11110111

    O “puxão de orelhas” que os ministros das Finanças da União Europeia decidiram aplicar a Portugal é visto por muitos como uma punição ao país.

    Teoricamente, as sanções decididas pelos “guardiães do dinheiro europeu” poderão levar à perda, já a partir de 2017, dos fundos que o país recebe da União Europeia. Na prática, o mero anúncio da possibilidade de sanções já levou, só em dois dias,  à subida dos juros que o país paga nos mercados financeiros internacionais. Embora formalmente elas se refiram ao incumprimento do défice máximo de 3% nos anos 2013-2015, ou seja, durante o governo anterior, as pessoas veem-nas como uma forma de pressão no atual governo socialista. Dirigentes e funcionários das instituições europeias não têm escondido o seu desagrado pela política da coligação entre socialistas e comunistas, nomeadamente o aumento dos apoios sociais, dos ordenados e em geral dos rendimentos reais da população. 

    Se o Governo não aprova a ideia de realizar um referendo, à semelhança do que foi feito no Reino Unido, há muitas vozes que afirmam que Portugal deveria desvincular-se do Tratado Orçamental, do Pacto de Estabilidade e Crescimento e do Tratado de Lisboa, por considerarem que estes limitam a soberania do país. 

    Como os portugueses encaram a aplicação destas sanções por parte da União Europeia? 

    A Sputnik foi perguntar a cidadãos comuns o que pensam sobre este tema.   

    Há quase unanimidade em considerar que as sanções irão prejudicar o país e que, em vez de melhorar, só agravarão a situação. Os entrevistados revelaram também um  certo sentido de impotência, de consciência da “pequenez” do país face aos maiores e mais poderosos países europeus. 

    António Ramos, aposentado

    “Acho que é uma lei de ‘funil’ porque as sanções são aplicadas aos (países) pequeninos, os pequeninos é que têm que pagar, eles (a UE) estão de posse do bolo, com a faca e o queijo na mão. Eles quando nos veem à beira do precipício, empurram-nos”.

    António Ramos, aposentado português
    © Sputnik/ Cristina Mestre
    António Ramos, aposentado português

    Fátima, empregada de escritório

    “As sanções, se forem aplicadas não são corretas. Como é que o país se endireita? É só isso que eu tenho a dizer aos nossos governantes. Por um lado, pagamos, por outro ainda somos cortados no que se refere aos fundos e tudo o mais, não conseguimos ir para a frente nunca”. 

    Sérgio Carqueja, técnico de informática 

    “Não estou de acordo com as sanções porque se já estamos mal, mais mal ficamos. Se calhar o governo, tanto o que lá está como o que lá esteve, não fizeram o suficiente para que isso não nos acontecesse. Andarem (os governos) a pôr as culpas um no outro não serve de nada. Têm é que se juntar e resolver a situação em que o país está, para ajudar”.

    Sérgio Carqueja, técnico de informática em Portugal
    © Sputnik/ Cristina Mestre
    Sérgio Carqueja, técnico de informática em Portugal
     

    Rui Madeira, comerciante 

    “Sou contra quaisquer sanções, aliás acho que nós devíamos protestar com uma proposta de referendo também. Não quer dizer que eu seja de acordo com a saída, mas acho que nós também temos que de alguma forma responder aos ‘grandes’ da Europa.

    Pelo menos devia haver uma posição da nossa parte, povo, para a Europa perceber que não pode fazer o que quer e lhe apetece connosco. Já fez quando foi a nossa entrada (na UE), que nos rebaixámos a tudo o que eles quiseram e agora voltamos a nos rebaixar? Não pode ser”.

    Rui Madeira, comerciante em Portugal
    © Sputnik/ Cristina Mestre
    Rui Madeira, comerciante em Portugal
     Miguel Moniz, empregado de café

    “As sanções vão-nos empobrecer ainda mais, vai fazer aumentar a carga de impostos. Não concordo. Não sei se é um mal necessário. Estamos já dentro de um buraco financeiro e dificilmente vamos sair dele”. 

    Entre os portugueses simples parece imperar alguma passividade e resignação. Embora lamentem, ninguém parece disposto a “entrar em combate” para evitar que a punição europeia se abata sobre o país.

    Já entre as elites, a intelectualidade  e o governo, a disposição parece ser outra, mais ativa e reivindicativa.

    Paula Santos, jornalista, escreve no jornal Expresso de ontem, 13: "Entendo que o Governo não deve ceder a qualquer tipo de pressão ou chantagem <…> O Governo deve junto das instituições europeias defender os interesses do nosso povo e do nosso país".

    Tags:
    opinião, sanções, União Europeia, Portugal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik