03:48 24 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    A Praça Vermelha de Moscou, Rússia

    Por que há pedras venezuelanas na Praça Vermelha em Moscou

    © flickr.com/ Dominique
    Opinião
    URL curta
    0 64531

    O mármore e o granito da Venezuela estão cada vez mais populares no mercado internacional. Durante a exposição A indústria da pedra 2016 em Moscou (Expo Stone Industry, em inglês), Ernesto García, representante da empresa venezuelana Canteras y Mármoles, que já existe por mais de 60 anos, contou à agência Sputnik sobre sua experiência na Rússia.

    ​Leia a íntegra da entrevista da Sputnik com Ernesto García

    Sputnik: Qual é sua visão sobre o mercado russo de granitos? Como está evoluindo a cooperação com empresas russas? Para que tipo de pedra existe maior demanda?

    Ernesto García: A experiência de trabalhar com parceiros russos foi muito bem sucedida. Tínhamos vários clientes, porque o granito da Venezuela está sendo vendido no país há muito tempo. Além disso, no centro de Moscou, têm muitas obras de construção, onde foi utilizado material da Venezuela: por exemplo, na Praça Vermelha, ou na fonte em frente ao Teatro Bolshoi e o hotel Four Seasons, que está localizado à entrada da Praça Vermelha próximo do Quilômetro Zero de Moscou, e outros hotéis localizados no centro da cidade. Esta pedra já é reconhecida pelos construtores russos, porque é um material nobre.

    S: Quais são os problemas que enfrentou o setor nos últimos anos, principalmente devido à atual situação econômica no país?

    EG: Nós vemos e experimentamos as dificuldades como todos os outros, mas nós também vemos oportunidades para crescimento e desenvolvimento. É a possibilidade de explorar os mercados, para abrir os olhos e perceber que o mercado não se limita a dez cidades venezuelanas e inclui mais de 1.500 cidades em todo o mundo. Precisamos olhar para fora do nosso país. Se não houvesse crise, nós não estaríamos aqui em Moscou. Ficaríamos tranquilos e confortáveis sentados em Caracas e esperando os clientes chegarem e não tentaríamos achar novos.

    S: Quais são as vantagens do granito venezuelano? Por que que este produto é tão popular no mercado internacional?

    EG: A dureza desta pedra é a principal vantagem no mercado, porque é um material muito resistente. Outra vantagem é a sua policromia. Venezuela é famosa por possuir toda a gama de cores do granito, especialmente o vermelho, rosa, preto, o totalmente preto e o cinza escuro. Estes materiais são muito populares no mercado mundial, especialmente na China e na Rússia.

    S: Em que países europeus se pode encontrar o granito venezuelano?

    EG: Em muitos, por exemplo, tem detalhes no aeroporto de Frankfurt, Roma, Madri <…> atrevo-me dizer que em todas as capitais da Europa existe pedra venezuelana, porque no mercado europeu permanecemos há mais de 20 anos.

    S: O desenvolvimento de um mundo multipolar ajudou os esforços da Venezuela para abordar outras grandes potências como a China e a Rússia, para posicionar o produto no mercado russo? Como ajudou a aproximação econômica ao desenvolvimento comercial?

    EG: Tem o acordo sobre tarifas aduaneiras entre a Federação da Rússia e a Venezuela, o que reduz as tarifas e taxas de exportação sobre todos os produtos que vêm da Venezuela para a Rússia. Esta prioridade é uma grande vantagem. Por outro lado, os custos de transporte de La Guaira ou Puerto Cabello para São Petersburgo são muito baratos, ainda mais baratos do que a entrega em portos espanhóis. Podemos dizer que existe um compromisso de entendimento e apoio entre os dois governos. O Bancoex, pela parte venezuelana, serviu como uma plataforma para promover e desenvolver o nosso potencial e reforçar a cooperação entre a Rússia e a Venezuela.

    Mais:

    OEA discute crise da Venezuela em clima tenso
    Venezuela exige demissão de Almagro da secretaria-geral da OEA
    Mercosul convoca reunião de chanceleres para discutir crise na Venezuela
    Tags:
    dificuldades, emprego, desenvolvimento, mercado, construção, negócio, cooperação, Frankfurt, Roma, Madri, Venezuela, Europa, Moscou, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik