23:41 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    José Eduardo Cardozo na Comissão de Impeachment
    Marcelo Camargo/ Agência Brasil

    Pró e contra Dilma: Senadores divergem sobre carta de defesa da presidente afastada

    Análise
    URL curta
    Impeachment no Senado (104)
    120
    Nos siga no

    Através do seu advogado, o ex-ministro da Justiça e ex-advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, a presidente afastada Dilma Rousseff entregou nesta quarta-feira, 6, carta à Comissão do Impeachment no Senado, na qual expõe sua defesa. Os argumentos de Dilma dividem opiniões entre os senadores que vão julgá-la no Plenário da Casa.

    Dilma reafirmou sua honestidade pessoal e no exercício do cargo, admitiu ter cometido erros ao longo do seu mandato, falou de sua lealdade aos companheiros do Partido dos Trabalhadores e à sua base aliada, disse estar sendo vítima de chantagem política e frisou que há um sério risco para a democracia no país com a deflagração do seu processo de impeachment. Esta última observação da presidente foi contestada por um ex-integrante do PT, o Senador Cristovam Buarque (PPS-DF), em entrevista à Sputnik Brasil:

    “Não gostei das referências da Presidente Dilma Rousseff ao risco que o seu processo está representando para a democracia”, disse Cristovam Buarque. “Eu não vejo riscos para a democracia brasileira hoje. Dilma pode fazer críticas em relação ao que existe ao redor do presidente interino Michel Temer, a ministros que talvez não mereçam a confiança da população, pode fazer críticas de como o presidente interino Michel Temer vai conduzir as políticas sociais, mas, sinceramente, ameaças à democracia eu não vejo, e considero um erro ela ter falado isso.”

    Quanto às chantagens de que Dilma Rousseff se declarou vítima por não ter mobilizado o PT a favor de Eduardo Cunha, Cristovam Buarque observou:

    “Isto é de um simplismo absoluto. Penso que a presidente ainda não caiu na real de perceber que o impeachment decorre, sobretudo, dos erros que ela e seu Governo cometeram. Eduardo Cunha não tem o controle de dois terços dos deputados que votaram pela abertura do processo, e ainda menos dos 55 senadores que também votaram pela abertura do processo. Creio que a defesa de Dilma também falhou, pois deveria ter explicitado os erros cometidos pela presidente e explicar o que ela pretende fazer caso recupere o Governo.”

    A aliada de primeira hora de Dilma Rousseff, Senadora Fátima Bezerra (PT-RN), acentuou a bravura da presidente:

    “A carta que Dilma Rousseff enviou ao Senado Federal vai entrar para a História”, garante Fátima Bezerra. “A carta que a presidente encaminhou à Comissão do Impeachment e que foi lida pelo seu competente advogado, Dr. José Eduardo Cardozo, mostra a fibra, a força e a coragem de uma mulher honesta, que não tem o que temer e que manterá a cabeça erguida para resistir e se opor aos que tentam dar um golpe na nossa jovem democracia, através desse pedido de impeachment sem embasamento e sem fundamentação do ponto de vista jurídico. A presidente, mais uma vez, usando de muita clareza, objetividade, sabedoria e lucidez política, deixou claro que não cometeu crime de responsabilidade nenhum, que nunca agiu em benefício próprio no exercício da Presidência. A carta dela eu definiria com a seguinte frase: ela representa a convicção dos inocentes.”

    Já o Senador Paulo Bauer (PSDB-SC) tem opinião completamente diversa:

    “A Sra. Dilma Rousseff está absolutamente equivocada e faltando com a verdade ao registrar que o processo de impeachment faz com que a democracia no Brasil corra riscos. A democracia não corre qualquer risco, porque está consolidada no Brasil. A Constituição está sendo respeitada, o processo de impeachment está acontecendo dentro das normas judiciais, e por isso as instituições muito sólidas do nosso país estão preservadas. O julgamento da presidente em nenhum momento vai colocar em risco a nossa história democrática, que está absolutamente consolidada.”

    Por sua vez, o Senador Paulo Paim (PT-RS) tem plena convicção de que a Presidente Dilma Rousseff não cometeu crime de responsabilidade e por isso merece ser absolvida no processo de impeachment:

    “Na carta que enviou ao Senado, a presidente reafirmou a sua inocência e deixou bem claro que não cometeu nenhum crime de responsabilidade. Dilma tornou a destacar que todos os presidentes incidiram nas mesmas questões das quais elas está sendo acusada, e contra nenhum dos seus antecessores foi proposto processo de impeachment.”

    “As acusações recaem até mesmo sobre o relator do processo de Dilma no Senado, o ex-governador de Minas Gerais Antônio Anastasia (PSDB-MG)”, acrescenta Paulo Paim. “Na carta enviada ao Senado e lida por seu advogado, José Eduardo Cardozo, Dilma Rousseff reafirma sua honestidade e faz uma conclamação às senadoras e aos senadores para que analisem friamente o processo e as suas próprias convicções para que se convençam da inocência da presidente e da improcedência das acusações que ela enfrenta.”

    O julgamento em Plenário só deverá acontecer na última semana de agosto, a partir do dia 27, conforme antecipou o presidente da Casa, Renan Calheiros. Na próxima quarta-feira, 13, o Congresso entrará em recesso e os trabalhos no Parlamento só serão retomados no início de agosto. Renan Calheiros também assegurou que durante o período de realização das Olimpíadas do Rio (5 a 21 de agosto) nenhuma etapa decisiva do processo de impeachment de Dilma Rousseff avançará no Senado.

    A opinião do especialista pode não necessariamente coincidir com a da redação da Sputnik

    Tema:
    Impeachment no Senado (104)

    Mais:

    Dilma não participará de sua defesa diante da Comissão do Impeachment
    Tags:
    impeachment, Comissão do impeachment, PT, Antonio Anastasia, Fátima Bezerra, Paulo Bauer, Cristovam Buarque, Paulo Paim, Michel Temer, José Eduardo Cardozo, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar