15:39 01 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    172
    Nos siga no

    A ministra do Interior da Ucrânia, Eka Zguladze, foi demitida na quarta-feira (11). A politica georgiana assumiu o cargo com intenção de reformar o ministério. Desde o inicio do ano corrente quase todos funcionários estrangeiros abandonaram Ucrânia.

    Zguladze deixou o governo por seu próprio pedido, informou o ministro do Interior Arsen Avakov no seu perfil do Twitter. Desde que o novo governo ucraniano foi formado em abril, a quantidade dos ministros expatriados diminuiu.

    Arseni Yatseniuk, primeiro-ministro da Ucrânia
    © AP Photo / Geert Vanden Wijngaert
    Os funcionários estrangeiros começaram a chegar ao governo da Ucrânia em dezembro de 2014. A iniciativa foi anunciada pelo ex-premiê ucraniano Arseny Yatsenyuk, e apoiada pelo presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko. Na altura os estrangeiros foram escolhidos pelo chefe da administração do presidente, Boris Lozhkin.

    No seu artigo para Wall Street Journal, Poroshenko explicou que a Ucrânia precisa expatriados para implementar as reformas e compartilhar a sua experiência.

    Na época, o gabinete incluiu três estrangeiros, como ministros e vários outros expatriados como vice-ministros e membros de conselhos consultivos. Um deles, Mikheil Saakashvili, foi nomeado governador de Odessa.

    A lista de estrangeiros no governo ucraniano incluía a ministra das Finanças, Natalie Jaresko (EUA), o ministro do Desenvolvimento Econômico Aivaras Abromavicius (Lituânia), e o ministro da Saúde Aleksandr Kvitashvili (Geórgia). Depois de serem nomeados, todos eles insistiram na necessidade de melhorar o trabalho dos seus ministérios e introduzir mecanismos transparentes de contratos de Estado.

    Em uma entrevista com Ukrainskaya Pravda (revista ucraniana), Abromavicius disse que a colheita de reforma e de reestruturação tinha começado no seu Ministério. No entanto, em fevereiro, ele disse que a equipe de Poroshenko criava obstáculos às reformas. Logo depois, Abromavicius se demitiu.

    "Eu e a minha equipe não queremos servir como encobrimento de corrupção ou como fantoches para aqueles que querem ter controle sobre o dinheiro público", disse ele.
    Em julho de 2015, Aleksandr Kvitashvili também se demitiu. Anteriormente, ele trabalhou com Saakashvili, no governo da Geórgia. Kvitashvili disse que os políticos ucranianos foram contra reformas e este fato o obrigou a abandonar o governo.

    Por sua vez, Jaresko nunca expressou o seu descontentamento do governo. No início de 2016 ela concordou substituir Yatsenyuk no cargo de primeiro-ministro. Em agosto de 2015 Jaresko chegou a um acordo com os credores em cancelamento de 20 por cento ou 3,8 bilhões de dólares da dívida ucraniana. No entanto, o cargo assumiu Vladimir Groisman.

    Kvitashvili, Abromavicius e Jaresko abandonaram o governo em abril logo depois da demissão de Yatsenyuk.

    Em 2015, David Sakvarelidze, que exercia o cargo de procurador na Geórgia, foi nomeado vice-procurador-geral, bem como o procurador da região de Odessa. Em março de 2016, ele foi demitido pelo procurador-geral Viktor Shokin. Sakvarelidze acusou Shokin na obstrução de reformas.

    Em maio, a nova lei do serviço público entrou em vigor na Ucrânia. A nova lei proíbe às pessoas com dupla cidadania ocupar cargos públicos. Pouco depois, Maria Gaidar, cidadã da Rússia, renunciou ao cargo de ajudante de Saakashvili. Gaidar foi escolhida para o cargo de assessor de governador de Odessa em julho de 2015. Em janeiro de 2016, ela se tornou vice-governadora de Odessa para os problemas sociais.

    A equipa do ex-presidente georgiano ainda não conseguiu atingir suas metas em Odessa, inclusive a luta contra a corrupção. Agora há rumores de que Saakashvili pode deixar o cargo. Mas, atualmente, ele continua a trabalhar porque ele foi despojado da cidadania georgiana em 2015.

    Não seria correto dizer que não há lugar para os expatriados no governo ucraniano mas sempre houve a tendência para mais ucranianos no gabinete, disse o analista ucraniano Vladimir Fesenko ao RBC.

    "Os especialistas estrangeiros não têm influencia significativa sobre as reformas na Ucrânia, mas eles podem as realizar, ademais eles poderiam assumir responsabilidades dos políticos ucranianos. Agora os expatriados podem ser acusados de fracassos e de implementar medidas pouco populares", considera o analista politico Anatoly Oktysyuk.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Kiev acusa Rússia de falsificar entrevista de Poroshenko
    Putin discute com Poroshenko destino dos cidadãos russos condenados na Ucrânia
    Tags:
    estrangeiros, demissão, governo, Arsen Avakov, Pyotr Poroshenko, Arseny Yatsenyuk, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar