09:20 24 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    8201
    Nos siga no

    Cientista político japonês fala sobre nova atitude do primeiro-ministro japonês no que tange às relações com a Rússia.

    "A nova abordagem" do problema das "ilhas do norte" (como no Japão chamam às quatro ilhas Curilas do Sul — Kunashir, Shikotan, Iturup e Khaboma) —, sobre a qual o primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe falou após a reunião com o presidente Vladimir Putin, pode significar que o Japão irá assumir que a "questão está fechada", disse à RIA Novosti o cientista político, autor de vários livros sobra a Rússia, Itsuro Nakamura, professor da Universidade de Tsukuba.

    "Eu acho que agora as relações entre o Japão e a Rússia estão no maior ponto crítico. No Japão, sob a "nova abordagem" entendem uma nova forma de solucionar os problemas [territoriais], entretanto, isso pode significar o abandono das anteriores exigências por parte do Japão".

    "Devido a esta expressão, se tornou difícil compreender a própria essência da questão. O problema principal é se a "nova abordagem" significa o reconhecimento de que a questão está fechada, ou se visa continuar a procurar uma solução territorial para o problema", diz o especialista.

    Ele observou que a "nova abordagem" pode significar a intenção do Japão de chegar a um compromisso sobre a questão territorial, ou mesmo aceitar a situação existente.

    "Eu acredito que a única solução seria o reconhecimento por parte do Japão de que este assunto está fechado. Mas aqui surge outro problema: se esta questão está fechada, o primeiro-ministro japonês e o presidente russo não teriam nada a discutir. Se até agora se realizaram encontro intensos é porque existia o problema territorial. É este o paradoxo", enfatizou o especialista.

    Nakamura acredita que "estamos em uma nova etapa nas relações entre os dois países, mas ainda é difícil entender o que está por trás da noção de "nova abordagem".

    Segundo Nakamura, a razão desta decisão do Japão tem a ver com a possibilidade real de Donald Trump chegar ao poder.

    "Para o Japão, Trump é preferível a Clinton. Como Abe é mais inteligente do que Trump, para o premiê japonês será mais fácil realizar a sua política. Se Trump chegar ao poder será possível uma união entre a América, Rússia e Japão frente às ameaças por parte da China e da Coreia do Norte. Ora Abe, custe o que custar precisa de ganhar o apoio de Putin. É por isso que foi a Sochi, apesar de Obama lhe ter pedido que não fizesse isso. Para ele é mais importante um bom relacionamento com Putin", diz o cientista político.

    Ele ressaltou que, na sua opinião, para o Japão seria melhor se neste encontro a disputa territorial fosse considerada como fechada".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Bloomberg: Abe quebrou o ‘isolamento’ da Rússia
    Abe elabora plano de cooperação com Rússia
    Tags:
    disputa territorial, negociações, Donald Trump, Shinzo Abe, Vladimir Putin, ilhas Curilhas, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar