16:14 17 Janeiro 2020
Ouvir Rádio

    Opinião: ‘Estamos vendo o vice-presidente da República articular o golpe’

    Análise
    URL curta
    Pedido de impeachment de Dilma Rousseff (132)
    26156
    Nos siga no

    Uma das primeiras reações do líder do PT na Câmara dos Deputados, Afonso Florence, ao tomar conhecimento do anúncio oficial da ruptura do PMDB com o Governo Federal e com o Partido dos Trabalhadores foi fazer duras críticas ao presidente nacional do PMDB, Michel Temer, vice-presidente da República.

    Bastante irritado com o anúncio da ruptura, feito na terça-feira, 29, Afonso Florence declarou: “Há golpe hoje no Brasil, e o nome dele agora é impeachment. E tem como patrocinador Michel Temer, que posava de jurista e agora é golpista.”

    Para a Deputada Federal Margarida Salomão (PT-MG), a reação de Florence é compreensível. Em entrevista à Sputnik Brasil, a parlamentar afirma que o Vice-Presidente Michel Temer está claramente apoiando o impeachment da Presidenta Dilma Rousseff, e “apoiar impeachment sem crime definido, sem crime atribuído à presidente e que possa ser comprovado, é golpe”.

    Nesta quarta-feira, 30, Margarida Salomão participou do lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Democracia, movimento constituído por parlamentares de diversos partidos, de situação e oposição. Segundo a deputada, os parlamentares participantes aderiram à Frente em caráter individual e não por indicação das bancadas partidárias.

    Sobre a acusação de Florence a Temer – de que o vice-presidente da República é o mentor do golpe –, a Deputada Margarida pensa que o líder do PT “foi extremamente feliz em caracterizar essa passagem histórica do Vice-Presidente Michel Temer: de constitucionalista respeitado, que ele era no Brasil, para uma posição duvidosa, ambígua, indesejável, em que, de fato, ele se apresenta como grande beneficiário e articulador de um golpe parlamentar no Brasil”.

    "Trata-se de um golpe não porque o impeachment deixe de ser previsto na Constituição – pelo contrário, impeachments são constitucionais –, mas para que eles sejam legítimos e legais é necessário que atendam as condições previstas no texto constitucional”, analisa Margarida Salomão. “Vota-se o impeachment quando há a caracterização de um crime de responsabilidade do presidente da República. No nosso caso, isso é impossível, porque o crime que se alega ter sido praticado refere-se a irregularidades nas contas de 2015 que sequer foram prestadas. Só serão prestadas em abril. Então, seria uma irregularidade caracterizada profeticamente. É uma deficiência técnica flagrante, grosseira, que hoje embasa um pedido de impeachment que tem um corte eminentemente político. Não há razões jurídicas, materiais, para o impeachment, e o impeachment sem razões jurídicas bem precisas é um caso de golpe. E é lamentável que nós vejamos articulando esse golpe o vice-presidente da República, Michel Temer.”

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Pedido de impeachment de Dilma Rousseff (132)

    Mais:

    Lula diz que impeachment sem motivo é golpe e que mídia cria clima de ódio no país
    Dilma conta os votos e acredita que processo de impeachment vai ser barrado na Câmara
    Tags:
    não vai ter golpe, golpe de Estado, democracia, impeachment, Câmara dos Deputados, PMDB, Congresso Nacional, PT, Margarida Salomão, Afonso Florence, Michel Temer, Dilma Rousseff, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar