08:46 29 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    8162
    Nos siga no

    Já bastante prejudicada pelas sanções de Moscou, a Turquia se deparou com problemas ainda maiores diante do sucesso da operação militar russa na Síria, perdendo todas as suas perspectivas no setor energético, defende um artigo publicado pela revista Oilprice.

    O autor do texto, diz que o conflito com a Rússia resultou em grande dificuldades para a economia turca, já que desde 2002 o país desenvolveu uma forte dependência do petróleo e do gás natural russos. Despreocupada com uma possível deterioração das relações com Moscou, Ancara deixou de desenvolver laços energéticos com outros países.

    Segundo o artigo, visando baixar a sua dependência da Rússia, a Turquia assinou um acordo de gás de grande risco com o Qatar – o documento prevê que o gasoduto entre os dois países passe por Síria, Iraque e territórios curdos.

    Sendo assim, a Turquia está enormemente interessada na derrota de Damasco e dos curdos no conflito sírio, almejando mudanças no equilíbrio de forças na região. O artigo destaca que, para alcançar esse objetivo, Ancara não deixaria de, inclusive, reforçar laços com grupos terroristas como o Daesh (Estado Islâmico).

    No entanto, a Rússia parece ter minado totalmente os frágeis planos energéticos da Turquia, destaca o autor da publicação. Desde o fim da bem-sucedida operação militar russa na Síria, os jihadistas vêm sofrendo sucessivas derrotas e os adversários de Ancara vêm cada vez mais reforçando suas posições naquele país.

    "A operação militar russa e o reforço do regime de Assad puseram fim ao projeto de gasoduto entre Turquia e Qatar" – concluiu o artigo da Oilprice.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Turquia abastece Daesh com tudo em troca de petróleo (VÍDEO)
    Turquia: aos poucos, relações com Rússia se normalizam
    Reviravolta inesperada: Turquia quer ser amiga do Irã
    Tags:
    gasoduto, setor energético, planos, intervenção, Recep Tayyip Erdogan, Qatar, Síria, Rússia, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar