06:55 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Agente de saúde analisa amostra de sangue de paciente com suspeitas de zika
    © REUTERS / Mariana Bazo

    Opinião: Zika vírus pode ser ainda mais perigoso, ‘mas não há motivo para pânico’

    Análise
    URL curta
    423

    Um artigo publicado na revista científica “PLOS Neglected Tropical Diseases”, de autoria dos médicos baianos Manoel Sarno e Antônio Raimundo Pinto de Almeida, revelou que o zika vírus, transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti, pode estar associado aos quadros de microcefalia e, também, à hidropsia fetal, o acúmulo de líquido no feto.

    Segundo os médicos – o Dr. Manoel Sarno é especialista em Medicina Fetal e o Dr. Antônio Raimundo de Almeida é nefrologista e diretor do Hospital Geral Roberto Santos, e ambos são professores da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia (UFBA) – o caso foi comprovado na gestação de uma brasileira de 20 anos residente no Estado da Paraíba e encaminhada para tratamento médico na Bahia.

    O Dr. Antônio Raimundo de Almeida, que também é professor de Clínica Médica na UFBA, revelou que este caso e o de várias outras pessoas contaminadas pelo zika vírus levaram um grande número de especialistas de várias instituições de pesquisas da Bahia a se reunir para desenvolver estudos em torno do tratamento das pessoas contaminadas pelo vírus e para uma possível fabricação de produtos que previnam a incidência de doenças provocadas pelo Aedes Aegypti, com ênfase no zika vírus. 

    O Dr. Antônio Raimundo disse ainda que, apesar da gravidade dos casos, não há motivos para pânico. De acordo com o médico, o momento é de se pensar em prevenção, e neste caso a responsabilidade deve ser compartilhada entre autoridades e população. O mais importante, segundo ele, é evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti.

    Sobre a questão de que a microcefalia supostamente seria causada pelo uso do larvicida pyriproxyfen, fabricado pela Sumitomo, empresa associada à Monsanto, e utilizado na esterilização de locais que possam ter larvas do Aedes Aegypti, Antônio Raimundo Pinto de Almeida afirma que não foi o caso. “Até pelo meu background nefrológico, gosto de estudar esses venenos, e digo que não.” E o médico diz que na década de 1960 aconteceram casos de bebês que nasciam surdos, mudos e com lesões neurológicas muito graves. Surgiram teorias conspiratórias e no final se provou que era rubéola. “Criou-se a vacina da rubéola, que acabou com aquilo.”

    Quanto ao caso atual, o Dr. Antônio Raimundo pondera:

    “Cada vez que analisamos esses casos que estão surgindo, mais estabelecemos um nexo causal entre a infecção materna pelo zika e alterações no sistema nervoso central, que nós, nesse grupo de pesquisa, estamos chamando de síndrome congênita da zika.”

    O médico diz ainda que o braço clínico desse grupo que está estudando no Hospital Roberto Santos é composto de um grande número de especialistas do próprio hospital – radiologistas, obstetras, oftalmologistas, fonoaudiólogos, neonatologistas; de clínicos pesquisadores da Fiocruz; do Instituto Evandro Chagas, do Pará; de dois ou três Institutos da própria Universidade Federal da Bahia; do Laboratório de Arbovirose, comandado pelo Dr. Scott Weaver, da Universidade do Texas, que está na Bahia; e da Universidade de Yale o Professor Albert Ko, que foi para a Bahia no início do surto de microcefalia.

    ”Estamos estudando desde o início de maio, quando tivemos o primeiro caso de Síndrome de Guillain-Barré, que é uma paralisia ascendente, e começamos a notar uma incidência anormalmente alta dessa doença e estabelecemos um grupo de trabalho para atender esses 18 pacientes que chegaram ao hospital.”

    Segundo o Dr. Antônio Raimundo, “parece que nós temos realmente um aumento muito grande desses casos. A partir de julho de 2015, nosso especialista em medicina fetal, Dr. Manoel Sarno, começou a observar um aumento da incidência de casos de microcefalia em útero. Ele avaliava as gestantes e no útero notou um aumento anormal de 1 ou 2 casos desses a cada 6 meses, e agora ele começou a ver 4, 5, 6, 7 na Paraíba e no Rio Grande do Norte, e depois esse número absurdo de casos de microcefalia explodiu em Recife. Depois surgiram o isolamento do vírus no líquido amniótico, no Rio Grande do Norte, em dois abortos, e depois o caso, publicado no ‘New England Journal of Medicine’, da garota eslovena que engravidou em Natal, pariu e teve um aborto na Eslovênia, e eles fizeram um estudo e comprovaram ser o vírus zika”.

    O Dr. Antônio Raimundo Pinto de Almeida continua:

    “O que este artigo de ontem na revista médica “PLOS Neglected Tropical Diseases” trouxe de particularidade, de ser diferente, foram dois aspectos importantes: primeiro que essa moça – é o terceiro filho dela – tem 20 anos e não teve qualquer sintoma relacionado ao zika nem à doença viral. A gravidez evoluía normalmente quando foi observado, por um médico do interior, que a criança não estava crescendo, até a 14.ª semana estava tudo bem, e na 18.ª semana o bebê não estava se desenvolvendo bem. O médico encaminhou o caso para o nosso serviço de medicina fetal em Salvador e daí se observaram alterações no cérebro desse bebê.”

    Finalmente, o Dr. Antônio Raimundo explica por que o grupo de pesquisa resolveu relatar esse caso para a literatura mundial:

    “É que esse bebê começou a ter hidropsia fetal, e a moça perdeu o bebê, ou foi uma perda fetal com 32 semanas. Este caso tinha duas coisas: a hidropsia fetal, que é o acúmulo de líquidos no pulmão, na pleura, no peritônio, no tecido subcutâneo, e hidrocefalia, quando o cérebro é totalmente substituído por uma quantidade muito grande de líquido e algumas outras alterações descritas também na microcefalia. Um grupo formado por neurocirurgião, neuropediatra, oftalmologista pediu permissão e tirou amostras de tecido deste bebê natimorto, e estudamos para afastar outras doenças, outras causas que pudessem resultar em hidropsia fetal e hidrocefalia, mas não encontramos toxoplasma e, no entanto, encontramos o vírus da zika. Nós sequenciamos o genoma dele, e mostrou ser a variante asiática que está circulando aqui no Brasil. Esta foi a importância: uma paciente que não teve sintomas e que aparentemente desenvolveu a doença.”

    Tags:
    microcefalia, zika, perigo, vírus, saúde, Manoel Sarno, Antônio Raimundo de Almeida, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar