02:15 24 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Barack Obama, presidente dos Estados Unidos (EUA)

    Instituto Ron Paul: Obama sabia desde início a verdade sobre a oposição síria

    © AP Photo / Gerald Herbert
    Análise
    URL curta
    8142

    A Casa Branca sabia desde o início do conflito sírio que os responsáveis por incitar a guerra civil naquele país não eram nada "moderados" ou "democratas", a sua aproximação com os jihadistas tendo sido "premeditada" pela administração de Obama e voltada para depor Bashar Assad, garante o presidente do Instituto Ron Paul, Daniel McAdams.

    "De acordo com os documentos da Inteligência de 2012, a administração de Obama esteve informada que os salafistas, a Irmandade Muçulmana e a Al-Qaeda eram as principais forças motoras dos rebeldes na Síria" – escreveu McAdams.

    Segundo o analista, o aquiteto do plano da derrubada de Asssad foi o ex-embaixador dos EUA na Síria Robert Ford, que mantinha estreitos laços de cooperação com os chamados rebeldes moderados.

    Em seguida, destaca McAdams, foram encontradas provas de que a "ajuda beneficente de Washington acabava parando nas mãos de grupos jihadistas", o que forçou Ford a reconhecer que grande parte da oposição moderada estava desde o início ligada ao Daesh (Estado Islâmico) e à Al-Qaeda.

    Em seu artigo, o analista do Instituto Ron Pau lembrou que numa entrevista feita em 2015, o chefe aposentado da inteligência militar dos EUA, Michael Flint, reconheceu que a parceria com os islamistas foi uma "decisão premeditada" da administração do Presidente Barack Obama.

    "É de se admirar que a Síria tenha chegado à atual situação catastrófica, em que centenas de milhares de pessoas morreram na guerra?" – conclui McAdams.

    Mais:

    Coalizão enfraquece, e EUA ameaçam usar força na Síria
    Cartaz ‘Obama assassino №1’ aparece em frente da embaixada dos EUA em Moscou
    Tags:
    terrorismo, verdade, oposição síria, Instituto Ron Paul, Daniel McAdams, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar