16:48 23 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia

    Opinião: denúncias russas conduziram Turquia para um beco sem saída

    © REUTERS / Christian Hartmann
    Análise
    URL curta
    16313

    O polêmico tema do envolvimento da Turquia no comércio de petróleo do grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico) voltou à tona com recentes declarações dos ministros da Defesa de Israel e da Grécia, que acusaram os turcos de comprar petróleo dos terroristas.

    O fato ganhou repercussão especial por ter sido anunciado por um representante oficial de um país parceiro da Turquia, bem como pelas declarações terem sido feitas numa coletiva de imprensa, em Atenas, após uma reunião de Jalonen com seu colega de pasta da Grécia.

    Entrevistado pela Sputnik, o cientista político e escritor turco Özgür Şen, autor do livro "Secularismo e esquerda na Turquia", acredita que as revelações do ministro israelense, feitas na capital grega, expuseram ainda mais a difícil situação da Turquia na arena internacional.

    O especialistas atentou para o fato de as declarações de Jalonen terem sido feitas num período de aproximação das relações turco-israelenses.

    "O governo turco do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), que vem gradativamente perdendo suas posições na arena internacional, passou a sofrer abertamente uma séria pressão por parte da comunidade internacional. Israel decidiu se aproveitar dessa oportunidade. Apesar de observarmos uma melhora nas relações turco-israelenses nos últimos tempos, Tel Aviv quer lucrar com a difícil situação do AKP, que se viu praticamente conduzido para um beco sem saída após o surgimento de informações sobre sua cooperação com os jihadistas" – explicou Şen.

    O observador destacou ainda que uma parte significativa do petróleo do Daesh chega aos mercados internacionais através da Turquia, onde é disfarçado ao ser misturado com petróleos vindos de outras regiões, para então ser comprado por outros países.

    "Para organizar esse processo é ativamente utilizado o petróleo vendido pelo Curdistão iraquiano, contornando o governo central do Iraque. Há provas comprovando isso. O mais interessante é que Israel supre 75% de sua demanda por petróleo graças a compras do Curdistão iraquiano, e a Turquia é um ponto de trânsito nesse comércio" – explicou o especialista.

    Şen destacou que o petróleo curdo é igualmente comprado por Chipre, Grécia, Itália e França, em um comércio regido por métodos totalmente contraditórios com relação às normas internacionais.

    "Turquia, Grécia, Chipre, Curdistão iraquiano e Israel… Essa lista reflete a atual situação não apenas no Oriente Médio, mas no mundo como um todo. Um quadro sombrio comprovando que todos pensam, antes de tudo, em seus próprios lucros, e que o problema do comércio do petróleo do Daesh é muito mais sério, complexo e multifacetado do que parece, ou do que estão tentando nos convencer" – concluiu Şen.

    Na quarta-feira (27) os ministros da Defesa de Israel e Grécia denunciaram o envolvimento direto da Turquia no comércio de petróleo ilegal do grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico), confirmando as acusações da Rússia contra o governo de Erdogan nesse sentido. Os ministros disseram que, há tempos, grande parte do petróleo comercializado pelo Daesh passa pela Turquia, que acaba financiando o terrorismo através dessas transações.

    Mais:

    Ministro da Defesa da Grécia: grande parte do petróleo do Daesh passa pela Turquia
    Caminhões de carga cruzam livremente a fronteira entre Síria e Turquia (VÍDEO)
    Tags:
    beco sem saída, denúncia, acusação, terrorismo, petróleo, Sputnik, Özgür Şen, Turquia, Grécia, Israel, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar