06:39 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Rússia Vladimir Putin e Presidente dos EUA Barack Obama

    Mídia: Rússia atou as mãos dos EUA às vésperas das negociações sobre Síria

    © AP Photo / Evan Vucci, File
    Análise
    URL curta
    18571

    Os êxitos militares da Rússia na Síria limitaram sensivelmente as posições dos EUA no processo de negociações sobre o país árabe. Nessas condições, os líderes da oposição síria perdem a confiança em Washington, colocando em perigo o sucesso das negociações, escreve a revista norte-americana Politico.

    "Rússia e Irã gozam de uma presença significativa na Síria, tendo ajudado Assad a alcançar uma série de vitórias nas últimas semanas. O papel dos EUA está mais limitado" – diz o artigo.

    Tal situação deixa os líderes da oposição descontentes, já que Washington passa a ter que concordar com propostas defendidas pela Rússia sobre a regulação.

    "Kerry não fez quaisquer promessas, nem apresentou quaisquer iniciativas. Faz tempo que ele vem dando os mesmos sinais que a Rússia, que defende a criação de um "governo nacional" e a possibilidade de Assad permanecer no poder e se recandidatar às próximas eleições" – escreve Politico, citando as palavras do presidente Coalizão Nacional Síria Khaled Khoja.

    A publicação destaca que a posição dos EUA sobre o processo de regulação do conflito civil na Síria rebaixa a autoridade de Obama aos olhos da oposição do país árabe.

    "A tensão acumulada ao longo de tanto tempo, acirrada pela proximidade das negociações sobre a paz em Genebra, já anuncia uma baixa probabilidade de sucesso, dizem os ex-analistas e ex-funcionários do governo norte-americano ligados à oposição síria. Se as negociações fracassarem, isso levará a uma maior deterioração do legado da política externa do presidente Obama, que mesmo sem isso já está bastante manchada por inúmeros derramamentos de sangue" – destaca o artigo da Politico.

    Junto a isso, uma série de representantes da oposição já declararam o seu descontentamento com relação à honestidade do papel de mediador desempenhando pelos EUA. Na opinião do pesquisador sênior do Centro para Interesses Nacionais, Andrew Bowen, a oposição perdeu a confiança e a fé na capacidade dos EUA de concluir a regulação política na Síria.

    As negociações sobre a regulação pacífica na Síria, sob a égide da ONU, estão marcadas para começar em 29 de janeiro, em Genebra. O evento deverá contar com a presença do governo sírio e de representantes da oposição moderada do país.

    A Síria vive desde 2011 em estado de guerra permanente e, segundo dados da ONU, já perdeu mais de 230 mil pessoas. As tropas do governo sírio combatem vários grupos rebeldes e organizações armadas, bem como grupos terroristas, incluindo o Daesh (Estado Islâmico) e a Frente al-Nusra.

    Mais:

    Turquia pode impedir negociações sírias para pressionar curdos
    Político alemão sobre conflito na Síria: sem Putin, nada dará certo
    Putin: Rússia não vai interferir nos assuntos internos da Síria
    Tags:
    conflito, posições, negociações de paz, Politico, Rússia, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik