00:10 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio

    Infectologista: grande fluxo de pessoas nos Jogos Olímpicos pode disseminar zika no mundo

    Análise
    URL curta
    Rio 2016 (253)
    2304
    Nos siga no

    O Rio de Janeiro vive um momento delicado. Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos serão realizados a partir de agosto, em meio ao pânico internacional sobre o vírus zika e a dengue, doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Egypti.

    De acordo com Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da Secretaria de Estado de Saúde, de 1º a 25 de janeiro foram notificados 3.954 casos suspeitos de dengue no Estado do Rio. Em 2015, durante o mesmo período, foram registrados 2.584 casos. Quanto ao zika vírus, o Rio de Janeiro é o estado com mais registros de casos suspeitos da doença no Sudeste do país, são 122 notificações.

    A Prefeitura e o governo do Rio tem intensificado as ações de combate aos focos do mosquito pela cidade e estado. As instalações onde serão realizadas as provas olímpicas, por exemplo, foram tratadas contra o mosquito transmissor.

    Em entrevista exclusiva para Sputnik Brasil, o infectologista e diretor do Instituto de Pediatria da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Edimilson Migowski, explicou que o pânico em torno do zika vírus, a principal preocupação do governo brasileiro hoje, teve início na Copa do Mundo em 2014, quando a doença chegou ao país. “Na verdade, o pânico se deve por conta da entrada desse vírus em 2014 no Brasil, na Copa do Mundo. O vírus entrou e encontrou infelizmente duas situações muito favoráveis para sua disseminação: o vetor, que é o mosquito, e uma população totalmente vulnerável a esse tipo de vírus. Até então, era um vírus que não circulava pelo Brasil e nas Américas. Nós importamos o vírus em 2014, e agora em 2016, por conta do descontrole no combate ao vetor, ao mosquito Aedes Aegypti, vamos exportar o problema para vários outros países nos quais o Aedes também predomina.”

    O Infectologista alerta que pelo menos 1/3 da população mundial se encontra  em área de risco para doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti. “Porque o Aedes está espalhado pelo mundo todo. O Aedes ou outro tipo de mosquito que se assemelha a ele e que tem a mesma competência de transmitir várias viroses, como os quatro tipos de dengue, chikungunya, zika, febre amarela, mayara vírus e alguns outros vírus, com os quais não temos muita experiência no Brasil. Desta forma, onde tem mosquito existe potencial para a transmissão desses vírus. Por isso que acabamos, nesse momento, sendo um terreno fértil para a disseminação da doença.”

    Edimilson Migowski teme que, com o grande fluxo de pessoas de vários países durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos no Rio de Janeiro, o vírus se expanda cada vez mais para o mundo. “O temor que eu tenho é que, com esse afluxo de pessoas muito grande do mundo inteiro para o Rio de Janeiro, se tenha mais pessoas aqui sendo picadas pelo Aedes e levando para suas regiões, para as suas casas, o vírus no corpo. E aí, lá no seu país de origem, poderá ser picada pelo Aedes e perpetuar ou introduzir o vírus nesses novos países e disseminar o vírus pelo mundo inteiro.”

    Segundo o médico, para que a situação não se agrave durante as Olimpíadas, será necessária a participação da sociedade. “É preciso intensificar o combate ao mosquito, pois 80% dos criadouros se encontram nas casas das pessoas. Cada um precisa ser o seu próprio agente sanitário, senão vamos ficar, infelizmente, contabilizando um número de casos cada vez maior em relação ao zika vírus, chikungunya e dengue.”

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Rio 2016 (253)

    Mais:

    Vacina contra vírus Zika só ficará pronta em 2 anos
    Governo divulga protocolo de atenção a gestantes e bebês contra zika e microcefalia
    Fiocruz desmente informação sobre Zika que circula no WhatsApp
    Exército vai ajudar na guerra ao mosquito da dengue e do zika
    OMS e OPAS emitem alerta mundial sobre o vírus Zika
    Tags:
    mayara vírus, febre amarela, Aedes Aegypti, zika, Chikungunya, epidemia, dengue, Copa do Mundo, Jogos Olímpicos, Rio 2016, Edimilson Migowski, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar