01:33 20 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Argentina, Mauricio Macri

    Não tem saída: Macri vai seguir linha de Kirchner na negociação com Fundos Abutres

    © REUTERS/ Jorge Adorno
    Opinião
    URL curta
    861

    A Argentina está negociando com os fundos especulativos o pagamento da sua dívida. As reuniões começaram esta semana em Nova York, e nesta quinta-feira ficou decidido que o Governo de Mauricio Macri apresentará uma proposta formal de pagamento no prazo de até duas semanas.

    Sobre este assunto, Sputnik Brasil colheu as opiniões de dois analistas. O Professor Fernando Almeida, do Inest (Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense), considerou as alternativas de que a Argentina dispõe para formalizar o seu pedido:

    “Em duas semanas vamos saber o que a Argentina está propondo. Não pode ser alguma coisa muito liberal, em razão da escassez de recursos do país, mas, por outro lado, já tem um efeito positivo no mercado financeiro, que trabalha com expectativas, e vimos essas expectativas serem expressas na atitude da agência de classificação de risco J. P. Morgan, quanto ao risco da Argentina frente ao risco do Brasil. Como há esperança de que a Argentina volte a negociar, volte a participar do sistema financeiro, a J. P. Morgan baixou o risco da Argentina. Como há a possibilidade de que a crise política se arraste o ano inteiro, eles [J. P. Morgan] nos colocaram um risco maior, quando na verdade a situação econômica na Argentina é mais séria. Ela tem uma inflação muito maior do que a nossa, tem um déficit muito maior do que o nosso, mas a agência está trabalhando com a expectativa de ela retornar negociando, considerando que Macri tem essa posição liberal e que nós vamos ficar enrolados ainda com a crise política durante algum tempo.”

    O professor de Economia Política Internacional, Eduardo Crespo, argentino de San Isidro, Buenos Aires, também acredita na possibilidade de um acordo entre Governo e credores, mas ressalva que, de uma certa forma, o Presidente Mauricio Macri procurará pagar o menos possível:

    “Eu não sei quais são os termos da negociação. Pelo menos as primeiras declarações que eles fizeram para a mídia são de que eles iam fazer todo o possível para pagar o menos possível ou em prazo muito longo. Seria uma negociação bem forte, não iam de um dia para o outro pagar tudo e acabou. Seguiria na linha dos Kirchner. Mas uma coisa é o que se fala para a imprensa e outra coisa é o que se vai negociar depois. Eu acho que vai tentar negociar principalmente os prazos.”

    Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Eduardo Crespo explicou como a Argentina chegou a essa situação de débito com os fundos credores:

    “A Argentina foi a uma situação de calote, default, no ano de 2002, no final do Governo De La Rua. Houve uma renegociação da dívida, a Argentina começou a pagar regularmente, só que uma parte dos credores não entrou no acordo geral e começou a ser chamada de Fundos Abutres. Esse grupo entrou com reclamação na Justiça dos Estados Unidos, com o Juiz Thomas Griesa, reivindicando o pagamento de 100% do que havia sido acordado inicialmente, antes do calote e antes da renegociação. O juiz e a Corte americana deram razão a eles. Não era tanto dinheiro assim, e até hoje não é, só que existia uma cláusula que dizia que, se não fosse possível pagar os 100%, iniciava-se a negociação mas não se podia discriminar credores – pagar a uns 100% e a outros 20%. Se os Fundos Abutres recebessem 100%, corria-se o risco de ativar a reclamação de todos os outros que tinham cobrado menos. O pagamento teria que ser igualitário. Era a Cláusula RUFO (rights-upon-future-offers), que deixou de ser válida no início do ano de 2015. Agora se forem pagos 100%, 50%, qualquer que seja a porcentagem, não se abre a possibilidade de os outros reclamarem.”

    Além de falar sobre o acordo da Argentina com os credores, o Professor Fernando Almeida também falou das relações dos governos brasileiro e argentino, e também do relacionamento dos países no âmbito do Mercosul:

    “Nós vamos assistir a vários embates no Mercosul em que o Brasil vai permanecer, seguramente, como um tipo de protetor, um aliado, ou pelo menos alguém mais comedido, porque a Venezuela é um integrante recente do Mercosul e ingressou justamente por pressão da Argentina, tendo o Brasil apoiado a proposta argentina. Os venezuelanos vinham comprando títulos da dívida da Argentina, que ninguém comprava, e por uma associação fortuita a Argentina foi muito incisiva na necessidade de trazer a Venezuela. Mudou o Governo na Argentina e se inverteu essa lógica do lado deles. Do nosso lado continua: nós somos a favor da máxima expansão do Mercosul e que ele sirva de base para outros processos de integração. Vamos ter, com certeza, mais atritos com a Argentina no aspecto político e convergência em áreas comerciais. Essa é uma tendência para vigorar durante os dois Governos Macri e Dilma.”

    Mais:

    Não ao ‘ajuste de Macri’: Funcionários públicos argentinos resistem à ameaça neoliberal
    Putin e Macri se comprometem com parceria estratégica entre Rússia e Argentina
    Movimentos sociais derrotam Macri na Justiça e mantêm Lei da Mídia na Argentina
    Tags:
    fundos abutres, JP Morgan, Mercosul, Eduardo Crespo, Mauricio Macri, Fernando Almeida, Cristina Kirchner, EUA, Buenos Aires, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik