15:38 20 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Arábia Saudita rompe relações diplomáticas com Irã (30)
    65243
    Nos siga no

    “Uma guerra declarada entre Arábia Saudita e Irã levaria à internacionalização do conflito, ao fechamento dos territórios marítimos por onde circula o comércio mundial de petróleo” – comenta o especialista em defesa Pedro Paulo Rezende.

    Soldados iranianos se preparam para lançar um míssil superfície-ar Hawk durante exercícios militares
    © AFP 2021 / ISNA / Amin Khoroshahi
    Arábia Saudita e Irã romperam relações diplomáticas no primeiro final de semana de 2016, logo após uma sequência de acontecimentos envolvendo os dois países. No sábado, 2, a Arábia Saudita anunciou ter executado 47 pessoas de origem iraniana, entre as quais o líder religioso Nimr al-Nimr. A alegação para a execução destas pessoas foi de que elas estavam exercendo atividades terroristas no país com o objetivo de derrubar o Governo saudita.

    No final da noite de sábado, logo após a autoridade religiosa máxima do Irã, Ali Khamenei, declarar que a Arábia Saudita iria pagar bem caro pelas 47 execuções, um grupo de iranianos depredou e incendiou a Embaixada saudita em Teerã.

    No domingo, 3, houve a confirmação da ruptura das relações diplomáticas entre os dois países.

    A tensão aumentou ainda mais na segunda, 4, quando Bahrein e Sudão, solidários à Arábia Saudita, também anunciaram o rompimento de relações diplomáticas com o Irã. Como se não bastasse, na quarta-feira, 6, o Irã acusou a Arábia Saudita de bombardear deliberadamente sua Embaixada em Sanaa, no Iêmen.

    Diante da intensificação destas tensões, aumentou a preocupação mundial em relação a um possível confronto militar entre Arábia Saudita e Irã, embora as autoridades sauditas tenham garantido que tal hipótese não irá se concretizar.

    No entanto, do ponto de vista do aparato bélico, qual é o potencial de Arábia Saudita e Irã? Quem responde a esta pergunta é o jornalista Pedro Paulo Rezende, especialista em questões bélicas e militares:

    “Depois de Israel, a Arábia Saudita é o país que possui os melhores equipamentos militares do Oriente Médio. Ela tem o melhor Exército, a melhor Marinha e a melhor Força Aérea. Isto, em termos de equipamentos. Agora, o potencial de combate dos sauditas é fraco. Por outro lado, o potencial de combate dos iranianos é muito maior, eles têm vontade e disposição para briga. E isso está se refletindo em sua atuação não só no Iêmen como também no Iraque e até mesmo no apoio que o Irã está prestando à Síria contra os rebeldes.”

    Apesar dessas características, Pedro Paulo Rezende não acredita que haverá confronto militar entre Irã e Arábia Saudita:

    “Não creio nesta hipótese. Uma guerra declarada entre Arábia Saudita e Irã levaria à internacionalização do conflito, ao fechamento dos territórios marítimos por onde circula o comércio mundial de petróleo. Uma situação destas não interessa a ninguém. De modo que nem iranianos nem sauditas, muito menos as grandes potências bélicas mundiais, permitirão que haja choque militar entre os dois países, pois as consequências seriam devastadoras para todo o mundo.”

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Arábia Saudita rompe relações diplomáticas com Irã (30)

    Mais:

    E se os xiitas da Arábia Saudita resolverem se separar e levar seu petróleo para o Irã?
    Irã acusa Arábia Saudita de bombardear embaixada iraniana em Sanaa
    Bagdá será mediador no conflito entre Irã e Arábia Saudita
    Chanceleres de Omã e Iraque discutem no Irã crise entre Riad e Teerã
    Reação em cadeia: Kuwait retira seu embaixador no Irã
    Ex-general dos EUA: Arábia Saudita e Irã podem entrar em guerra
    Tags:
    relações internacionais, Pedro Paulo Rezende, Aiatolá Ali Khamenei, Iêmen, Irã, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar