09:12 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Tabaré Vázquez e Dilma Rousseff em 21 de maio de 2015, no Planalto

    Uruguai repudia impeachment de Dilma: Crise pode ter forte impacto no Brasil e na AL

    © AFP 2017/ EVARISTO SA
    Opinião
    URL curta
    37122197

    A Frente Ampla, coalizão liderada pelo presidente uruguaio Tabaré Vázquez, manifestou apoio à Presidenta Dilma Rousseff e ao PT na questão da abertura do processo de impeachment.

    Durante uma sessão do Plenário Nacional da Frente Ampla, realizada em Montevidéu, a coalizão emitiu uma moção de repúdio ao que chamou de “tentativas de destituição da Presidenta Dilma Rousseff e de desestabilização de seu Governo, por parte dos que querem a qualquer preço recuperar o controle da política, não hesitando em gerar uma crise de forte impacto no Brasil e na região". 

    O Professor Diogo Dario, doutor em Relações Internacionais pela Universidade Saint Andrews, do Reino Unido, chama a atenção para o fato de que Tabaré Vázquez é o primeiro chefe de Executivo a se pronunciar de forma explícita contra um eventual processo de impeachment.

    “É a primeira reação oficial no exterior”, nota o Professor Dario, referindo-se ao Presidente Vázquez. “Nós tivemos a reação dos mercados, que era algo que estava sendo aguardado, estávamos na expectativa de que o dólar subisse ou não, e acabou que eles reagiram, digamos assim, de forma neutra. Alguns editoriais americanos reagiram com uma certa preocupação, mas ainda não tinha havido um governo ou uma coalizão se posicionando a respeito do assunto de forma tão demarcada.”

    Segundo Diogo Dario, o fato de ser uma reação vindo de um presidente latino-americano, liderando um governo de esquerda, isso leva a uma reflexão sobre como o quadro de polarização política na América Latina, na América do Sul, está se movimentando.

    Ao ser questionado sobre a importância do repúdio do Governo uruguaio às tentativas de destituição da Presidenta Dilma Rousseff e de desestabilização de seu Governo, por setores da política e do Judiciário, e que isso chegue até outras lideranças internacionais, o Professor Diogo Dario acha que para o Partido dos Trabalhadores essas manifestações seriam muito importantes.

    “O PT defende a ideia de que, de certa forma, está sendo vítima da própria virtude. Como um Governo que combate a corrupção, ele está sendo controlado justamente por promover essa transparência. Mas mais importante do que isso é a questão do que o PT precisa construir para conseguir impor uma narrativa que o favoreça, porque o impacto desse tipo de declaração [do Presidente Tabaré Vázquez], nos trabalhos de médio prazo do Congresso, vai ser mínimo. A oposição está mobilizada para avançar o processo de impeachment, mas em algum momento os políticos têm que ouvir as ruas. Eles vão precisar se posicionar vendo a perspectiva de serem reeleitos para os próximos mandatos. O PT precisa, para colocar a maré da opinião pública a seu favor, construir uma narrativa eficiente.”   

    O especialista em Relações Internacionais acredita que – assim como ocorreu com o processo de impedimento do presidente do Paraguai, Fernando Lugo, que diminuiu a credibilidade do Governo paraguaio – o processo de impeachment da Dilma pode diminuir a credibilidade do Governo brasileiro.

    “Essa impressão vai colocar as instituições brasileiras, e não só o PT, como instituições fracas, instituições que não merecem credibilidade. Isso, sim, geraria um impacto muito importante na hora de os políticos tomarem a decisão da conveniência ou não de afastar Dilma Rousseff”.

    Diogo Dario também ressalta que a declaração do Uruguai traz uma certa inversão de expectativas, pois do início do Governo Lula até agora o Brasil tem sido visto como um país estável, tentando se colocar como garantidor dos governos de esquerda num momento em que eles enfrentavam instabilidade.

    “O Brasil se colocou contra o processo de impedimento de Fernando Lugo, presidente do Paraguai, em 2012. O próprio Lula remediou crises na Bolívia em mais de uma oportunidade, e na Venezuela logo no início do seu mandato. O Brasil estava construindo todo um aparelho institucional na América do Sul para se colocar como um mediador, e a premissa disso era que o Brasil tinha um Governo estável o suficiente para cumprir esse papel, em contraponto a países que precisavam dessa estabilidade. E o que se vê agora é um Brasil que está com um quadro político fragmentado, o Partido dos Trabalhadores e o Governo precisam construir uma narrativa para se consolidar institucionalmente.”

    Mais:

    Sessão extraordinária no Plenário vai eleger membros da comissão especial do impeachment
    Mulheres assumem a linha de frente contra Cunha e contra o impeachment
    Tags:
    impeachment, PT, Universidade de Saint Andrews, Lula, Fernando Lugo, Diogo Dario, Tabaré Vázquez, Dilma Rousseff, Bolívia, Paraguai, Venezuela, América do Sul, Montevidéu, Reino Unido, América Latina, Brasília, Uruguai, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik