17:50 19 Junho 2019
Ouvir Rádio
    A rua Wall Street em Nova York

    Opinião: Agências de classificação de risco não devem receber superpoderes

    © AFP 2019 / JEWEL SAMAD / AFP
    Análise
    URL curta
    271

    A diretora sênior da agência de classificação de riscos Fitch, Shelly Shetty, afirmou que a nota do Brasil, atualmente em perspectiva negativa, poderá ser revista, de acordo com uma possível evolução dos fatos políticos e econômicos do país.

    No entanto, disse Shelly Shetty, a perspectiva negativa se mantém, devido “à piora adicional da economia, à deterioração mais acentuada das contas fiscais, à escalada da dívida bruta e às dificuldades extras na governabilidade”, fatores que, segundo a analista, podem colocar pressão adicional para o rebaixamento da classificação de risco do Brasil.

    De acordo com Shelly Shetty, que é diretora da Fitch para os países da América Latina, “a perspectiva negativa em um rating indica chance acima de 50% de rebaixamento da nota entre 12 e 18 meses”. A analista ressaltou, porém, que “mudanças poderão ocorrer em tempo mais curto no Brasil, e por este motivo a agência continuará a monitorar os desdobramentos políticos, econômicos e fiscais do país”, o que poderá permitir a reavaliação pela Fitch.

    Ao comentar o posicionamento da Fitch, o professor de Economia Istvan Kasznar, da Fundação Getúlio Vargas, do Rio de Janeiro, observou que “as agências de classificação de risco, em geral, não devem receber um superpoder ou uma superdeferência sobre o que fazem”.

    O Professor Kasznar relembra:

    “Essas agências continuavam achando que os Estados Unidos eram rating Triplo A [AAA], a melhor nota, no meio do ano de 2007 e depois em 2008, com os EUA quebrando e, depois, quebrando o mundo com as subprimes e com os junk banks deles, papéis e títulos podres. Essas agências davam nota máxima e deferência máxima aos Estados Unidos, e depois para outros países europeus que se encalacraram totalmente.”

    Por isso, Istvan Kasznar recomenda máxima cautela diante das avaliações não só da Fitch mas de todas as agências de avaliação de riscos:

    “Eu creio que nós temos de tomar muito cuidado, porque a Fitch pode ser uma organização séria, mas ela não é um deus ex machina coisíssima nenhuma. A Fitch é mais uma agência a querer viver da análise de qualidade do risco soberano, do risco de transferência e do risco de capacidade de remessa de divisas dos países, entre outros serviços.”

    Mais:

    Fitch dá seguimento à pressão das agências e baixa grau de investimento do Brasil
    Levy analisa como sinalizador de rumos o rebaixamento da nota do Brasil pela Moody’s
    Opinião: S&P rebaixou nota do Brasil por motivos políticos
    Tags:
    política, economia, mercado financeiro, especulação financeira, especulação, Moody's, Standard & Poor's, Fitch, FGV, Istvan Kasznar, Shelly Shetty, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar