06:20 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira da Argentina

    Opinião: Argentina se aproxima da política de desenvolvimento dos BRICS

    © flickr.com/ Eduardo Amorim
    Análise
    URL curta
    12182
    Nos siga no

    O acordo assinado entre Buenos Aires e Pequim para a construção de mais duas centrais nucleares na Argentina, no valor total de US$ 15 bilhões, demonstra que o país está seguindo o modelo de desenvolvimento dos BRICS, garante Yamil Quispe, coordenador do gabinete presidencial argentino.

    A presidente da Argentina Cristina Fernandez de Kirchner e o presidente da China Xi Jinping
    © AFP 2019 / ROLEX DELA PENA / POOL / AFP
    Na sua opinião, o acordo entre a Argentina e a China é histórico, pois promove a indústria local e contempla a formação de um consórcio (com maior participação da Argentina) para a execução do projeto de construção da quarta e da quinta usinas de energia nuclear no país, em que a China fornecerá 85% do financiamento mediante uma taxa muito baixa de 6,5% ao ano e um período de carência de 8 anos.

    "Em termos geopolíticos e estratégicos, a Argentina se aproxima das "políticas desenvolvimentistas" do grupo BRICS, com quem, possivelmente, poderá trabalhar em conjunto no futuro . Assim como o Novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS foi criado para financiar grandes projetos de energia, transportes e desenvolvimento industrial, dando condições para aumentar o volume de comércio, a Argentina também está criando condições para garantir à indústria um mercado suficientemente grande e unificado em nível nacional, permitindo o desenvolvimento e integração da economia local e da América Latina" – garante Quispe.

    Sobre este assunto, a Sputnik conversou com o especialistas russo em energia nuclear Sergei Kondratiev, chefe de pesquisa do Instituto de Energia e Finanças da Rússia. Eis o que ele tem a dizer sobre este novo acordo.

    Sputnik: O que significa o acordo firmado entre Buenos Aires e Pequim às margens da reunião de cúpula do G-20 para o setor nuclear e a economia da Argentina?

    Sergei Kondratiev: Creio que em grande parte isso não se dirá seriamente sobre os indicadores econômicos da Argentina. Já que, atualmente, a indústria argentina não consegue suprir as exigências técnicas do projeto. Portanto, uma parte significativa dos equipamentos deverá ser trazida do exterior. Possivelmente da China, ou de outros países parceiros. Além disso, é provável que os prazos desse acordo sejam bastante longos, já que, atualmente, a Argentina não carece de uma quantidade tão grande de usinas elétricas nucleares. A demanda até aumenta, mas esse crescimento é lento. E tem também a questão do retorno dos investimentos nas condições atuais. Creio que a pergunta atual seja se a China e a Argentina conseguirão resolver todas essas questões durante a fase da organização técnico-econômica dessas usinas.

    S: E quais seriam para a China as vantagens do desenvolvimento da cooperação com a Argentina?

    SK: Creio que uma das principais vantagens para a China seja a possibilidade de fornecer equipamentos e especialistas próprios para a construção de usinas nucleares. E tem também um certo aumento de sua influência geopolítica na América do Sul. A China atualmente é capaz de oferecer os investimentos necessários com condições bastante atrativas, o que, possivelmente, seja um dos fatores decisivos na escolha dos parceiros pela Argentina.

    S: A China também pretende construir novas usinas nucleares em seu próprio território. Ela dará conta de ambos os projetos?

    SK: A China, atualmente, é um dos maiores mercados em volume de construção de novas usinas nucleares. Mas é preciso levar em conta que as empresas chinesas desses setor atuam principalmente no interior do próprio país, tendo uma experiência muito pequena no exterior, que consiste na construção de uma usina no Paquistão. E o acesso ao mercado dos países da América Latina é, provavelmente, muito importante para a indústria nuclear chinesa. É provável que no futuro as empresas chinesas tenham que apresentar referências internacionais, que elas ainda não possuem. Portanto, elas deverão atrair outros fornecedores, possivelmente da  Coréia do Sul, ou dos EUA, o que, por sua vez, também irá colaborar com os objetivos de expandir a construção no interior do próprio país. Além disso, a China está expandindo sensivelmente a sua capacidade industrial seguindo metas traçadas antes do acidente de Fukushima, sendo capaz de construir muito mais usinas do que o planejado atualmente. Portanto, a China tem todas as possibilidades de executar o projeto na Argentina, apesar de que uma série de questões sérias relativas a tarifas ou à segurança ainda serão colocadas e poderão frear significativamente a sua realização.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tags:
    desenvolvimento, cooperação, Banco de Desenvolvimento do BRICS, BRICS, Sergei Kondratiev, Yamil Quispe, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar