22:59 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Ex-president dos EUA Bill Clinton

    Opinião: Bill Clinton tem razão em seu otimismo com o Brasil

    © AP Photo/ Haraz N. Ghanbari
    Análise
    URL curta
    Por
    4202
    Nos siga no

    O ex-Presidente dos Estados Unidos Bill Clinton fez grandes elogios ao Brasil ao participar na quinta-feira, 12, do ENAI – Encontro Nacional da Indústria, realizado em Brasília. Na ocasião, Clinton disse que “o Brasil é um dos poucos lugares do mundo em que se pode ser otimista”.

    Em seu pronunciamento, Clinton reconheceu que o país passa por dificuldades políticas e econômicas mas observou que “daqui a cinco anos todos estaremos nos perguntando a razão de termos levado tão a sério as dificuldades de 2015”.

    Clinton também elogiou os Presidentes Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ao afirmar que “nos últimos 20 anos o Brasil obteve notáveis progressos sociais”.

    O ex-presidente dos EUA também disse que a crise econômica mundial de 2008 levou o mundo a se voltar para o então BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), hoje BRICS, com a incorporação ao grupo, em 2011, da África do Sul.

    Sobre as considerações de Bill Clinton, Sputnik Brasil ouviu o Professor Diego Pautasso, da Unisinos – Universidade do Vale dos Sinos, no Rio Grande do Sul. Para Diego Pautasso, Clinton mirou em dois objetivos.

    “O primeiro é que os americanos têm interesses claros na América do Sul e sabem que o Brasil é o país-referência”, diz o professor de Relações Internacionais. “As empresas norte-americanas têm uma participação importante neste mercado e, além do mais, os países BRICS estão cada vez mais presentes na economia brasileira, notadamente China e Rússia, mas também Índia e África do Sul. E os EUA querem reservar o seu espaço, cultivar boas relações com o Brasil. Acho que este é o primeiro objetivo que está por trás da fala de Bill Clinton.”

    O segundo alvo da fala de Bill Clinton, na visão de Diego Pautasso, é “uma constatação realista, dado que de fato o Brasil é um país promissor porque tem condições geográficas, políticas e econômicas bastante sólidas”.

    “Estou me referindo basicamente ao fato de que o Brasil é o segundo maior exportador líquido de alimentos do mundo, e tem condições de se tornar o primeiro dentro de uma década. O Brasil tem uma situação energética e de recursos naturais e minerais bastante privilegiada, está numa situação de bônus demográfico e, apesar de toda a polêmica e toda a crise política, a situação econômica e fiscal do Brasil é bastante razoável e melhor do que a da maioria dos países da OCDE.”

    O ex-Presidente Bill Clinton também mencionou que, após a crise econômica mundial de 2008, “muitas pessoas acreditavam que o centro das decisões mundiais migraria para os BRICS”, e que agora a China tem enfrentado desafios para substituir o comércio exterior pela demanda interna, como fator de crescimento. E que a Rússia, mesmo atingida pela queda dos preços do petróleo e pelas sanções econômicas, conseguiu apresentar algum crescimento. Clinton também falou das reformas que estão acontecendo na Índia.

    “Quando olhamos para as taxas médias de crescimento, o tamanho e o potencial de expansão do mercado interno e comparamos sobretudo com os países da OCDE, com a Europa, é inegável que a situação dos BRICS, apesar de suas eventuais crises, dos seus constrangimentos, é promissora”, comenta o Professor Diego Pautasso. “São economias-baleia, como se costuma dizer, que têm uma fatia no PIB mundial cada vez maior, que têm reservas internacionais gigantescas.”

    “Eu sou do tempo em que, quando se falava no epicentro financeiro do mundo, pensávamos em FMI, Banco Mundial e nas reservas dos EUA e dos países europeus e do Japão”, diz Pautasso. “Hoje, se fizermos a lista das 10 maiores reservas internacionais, 90% são de países periféricos, e os BRICS estão situados nas primeiras posições. Esse é um dado insofismável, e, portanto, a constatação do Bill Clinton é de que precisamos nos ater a esse novo cenário geopolítico e geoeconômico para que a tomada de decisão seja mais acertada.”

    O Professor Diego Pautasso finaliza seu comentário concordando com o pensamento do ex-presidente americano:

    “O que Bill Clinton está dizendo é que o que o Brasil colocou no mercado, nas classes intermediárias, corresponde à população dos maiores países europeus, em torno de 50 milhões de habitantes. Este mercado não é nada desprezível. Basta ver as grandes empresas de varejo, que tiveram um crescimento exponencial a partir do ingresso desses novos segmentos no mercado consumidor, a formalização do mercado de trabalho, o aumento do salário-mínimo e um conjunto de políticas distributivas que redefiniram completamente a pirâmide socioeconômica do Brasil. É aí que se situa parte dessa alavanca de crescimento econômico, embora além do consumo e além do potencial agrícola, mineral e energético, o Brasil seja um país que realiza grandes obras de infraestrutura e que tem um potencial enorme para realizar mais obras, que vai da infraestrutura de transportes até a questão da mobilidade urbana nas grandes cidades ou mesmo no setor habitacional, dado o nosso déficit habitacional histórico. Quem observa essas variáveis e esses potenciais, sem sombra de dúvida, deve constatar que o Brasil tem condições sólidas para crescer e oportunidades expressivas para as próximas décadas.”

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Itália demonstra confiança na economia brasileira
    Tags:
    otimismo, economia, BRICS, Sputnik, Bill Clinton, Diego Pautasso, Brasil, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar