21:19 06 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Rússia combate Estado Islâmico na Síria (291)
    401024
    Nos siga no

    A opinião defendida por alguns observadores ocidentais de que a Rússia poderá afundar no "pântano sírio" está totalmente equivocada, acredita o ex-funcionário da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional Josh Cohen, que participou de projetos de reformas econômicas no espaço pós-soviético.

    Cohen diz que o presidente russo Vladimir Putin possui mais cartas na manga do que podem imaginar os seus críticos ferrenhos. Segundo ele, a Rússia é perfeitamente capaz de alcançar seus principais objetivos militares na Síria, mas o mesmo não pode ser dito sobre os EUA.

    Os esforços de Moscou em recuperar sua influência no Oriente Médio parecem já estar dando frutos, escreve o observador. Na sua opinião, ao se reunir com o presidente sírio Bashar Assad em Moscou, no dia 12 de outubro, Putin deu a entender que a partir de agora é a Rússia que está no comando na Síria.

    Em seu artigo, Cohen analisa o recente desenrolar dos fatos no país árabe e conclui que se os ataques aéreos russos continuarem por mais dois meses as posições de Assad em territórios controlados por ele estarão em segurança. A partir de então, a Rússia poderá intermediar um compromisso entre os líder e a oposição sírios, e o Ocidente poderá muito bem acatar a tal alternativa.

    O autor destaca que o principal problema da Europa são os migrantes, enquanto que o principal objetivo dos EUA é de enfraquecer as posições dos Estado Islâmico. Nessas condições não é de se excluir que o Ocidente poderá aceitar, apesar de não abertamente, um acordo em que Assad continuaria no poder seja em sua função nominal, seja no âmbito de um longo processo de transferência de poder.

    Para Cohen, a Europa irá se agarrar a qualquer oportunidade para aliviar a sua situação com os refugiados, e, sabendo disso, a Rússia poderá até dar uma colher de chá criando uma zona de exclusão aérea no norte da Síria, onde organizações humanitárias poderiam cuidar dos milhões de refugiados do país.

    Mas, naturalmente, a cooperação russa também terá seu preço para o Ocidente. Na opinião do analista, a Rússia exigirá ser incluída em todos os diálogos sobre uma arquitetura geopolítica mais ampla no Oriente Médio. O autor destaca, no entanto, que Moscou já conseguiu avançar nesse sentido mesmo sem o apoio do Ocidente, o que pode ser comprovado pelo seu atual diálogo com líderes de países do Golfo Pérsico e Jordânia após conversas com Assad.

    Cohen conclui que se o cenário sírio seguir o plano da Rússia, Putin poderá surpreender a todos com mais uma vitória geopolítica.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Rússia combate Estado Islâmico na Síria (291)

    Mais:

    Voos de reconhecimento russos assustam porta-aviões americano
    “Putin enrolou Obama como sushi”, diz candidato americano
    Tags:
    geopolítica, vitória, Estado Islâmico, Josh Cohen, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar