06:17 21 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    032
    Nos siga no

    Hoje (13) o Conselho holandês de Investigação sobre Segurança e a empresa russa Almaz-Antey apresentaram os seus relatórios sobre as razões da tragédia que aconteceu em 17 de julho de 2014 no leste da Ucrânia. Aleksei Mukhin, diretor-geral do Centro russo de Informações Políticas, comentou o relatório holandês à Sputnik.

    Na sua opinião, é preciso avaliar o relatório em conjunto com as conclusões que foram tiradas pelos peritos da Almaz-Antey. Os documentos não se contradizem um ao outro, que é um bom sinal. Segundo Mukhin, isso significa que os peritos de dois lados praticamente chegaram à verdade.

    “Em primeiro lugar, os holandeses, apesar da pressão evidente de Kiev, não incluíram no relatório a afirmação de que o míssil foi lançado do território sob o controle das milícias de Donbass. Em segundo lugar, o relatório contém informações sobre o papel das autoridades ucranianas, que não fecharam o espaço aéreo para a aviação civil. É muito importante porque isso faz com que a Ucrânia seja envolvida no processo de investigação não como o país que acusa e sofreu mas como o país cujas autoridades tomam decisões inadequadas”, afirmou Mukhin.

    No entanto, de acordo com o especialista, o relatório holandês contém muitas imprecisões. O algoritmo que é próprio de uma investigação, ou seja, a sequência de ações, não foi seguido, o que permite tirar conclusões nebulosas e pouco claras. 

    “Ou seja, o relatório holandês é um documento em que não há informações completas, que deixa espaço à imaginação“, afirmou.

    Mukhin pensa que os métodos de realização da investigação são questionáveis. Por exemplo, no relatório os dados das caixas-negras não são claros, não há as conversas entre os controladores aéreos e a tripulação. Estas são evidências-chave que deveriam ter sido incluídas no relatório, mas não foram. 

    O especialista disse que este é um documento razoável porque não dá vantagens nem aos EUA, nem à Rússia.

    “Não acusaram a Rússia, como os EUA e a Ucrânia esperavam, mas, ao mesmo tempo, não deram a oportunidade de criticá-los por uma investigação incompleta, extremamente fragmentada e, dizendo abertamente, pouco profissional”.

    Em 17 de julho de 2014, um avião da Malaysia Airlines que fazia o voo MH17 entre Amsterdã e Kuala Lumpur foi abatido no sudeste da Ucrânia, na região de Donbass. Todas as 298 pessoas a bordo da aeronave morreram no acidente. As forças de Kiev e os independentistas da região têm repetidamente se culpado pela tragédia.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tags:
    Rússia, Holanda, Ucrânia, catástrofe, avião, ataque, opinião
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar